Um estudo publicado pela revista médica The Lancet, do Reino Unido, nesta quinta-feira (2), revelou que as doses de reforço das vacinas contra a Covid-19 fabricadas pelas farmacêuticas Pfizer e Moderna proporcionaram respostas imunes melhores entre os sete imunizantes analisados. No Brasil, apenas o da Pfizer é utilizado.

De acordo com os pesquisadores, a terceira dose da Pfizer e da Moderna são capazaes de reduzir o risco de infecção pela doença em mais de 93%. Confira o estudo completo neste link.

Durante as investigações lideradas pela Universidade de Southampton, também no Reino Unido, cerca de 3 mil adultos se voluntariaram para a realização de testes.Os participantes do estudo deveriam ter mais de 30 anos e estar, no mínimo, a 70 dias da segunda dose.

Conforme os resultados divulgados, a eficácia de sete vacinas foram avaliadas entre elas as das farmacêuticas: Janssen, AstraZeneca, Novavax, Valneva, Curevac, Pfizer e Moderna. Todos foram considerados seguros e aumentaram a produção de anticorpos contra a Covid, porém as duas produzidas nos Estados Unidos tiveram respostas melhores. 

Os voluntários que receberam duas doses de AstraZeneca tiveram aumento de 30% na produção de anticorpos após a terceira dose da Moderna. Já com o reforço da Pfizer esse índice foi de 25%.

Brasil 

No dia 8 de novembro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu a aplicação do reforço da vacina contra a Covid. Já no dia 16 de novembro, o Governo Federal anunciou a redução do intervalo da terceira dose de seis para cinco meses após a finalização do esquema vacinal. A idade mínima também foi ampliada para 18 anos. 

De acordo com o Ministério da Saúde, o melhor é que as pessoas recebam um imunizante diferente do usado nas duas primeiras aplicações. "É preferencial que a dose adicional seja com uma vacina diferente. No Brasil usamos a Pfizer, mas em um eventual desabastecimento pode ser usada outra plataforma", explicou Queiroga durante coletiva de imprensa. 

Leia também
Exame descarta infecção pela variante Ômicron de paciente internada em BH após viagem à África
Garganta 'arranhando' e cansaço extremo: veja os sintomas da variante Ômicron do coronavírus