Os reflexos da escravatura no Brasil perduram 131 anos após a assinatura da Lei Áurea, deixando pretos e pardos à margem da economia. Em Minas Gerais, eles recebem 52,3% a menos do que os brancos e representam a maior parte dos desocupados, com 12,2%, contra 8,3% dos brancos, segundo levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados de 2018. Além da dificuldade de acesso a serviços básicos e da renda menor, o preconceito agrava o quadro de isolamento econômico dos negros. 

Enquanto a renda média do branco mineiro é de R$ 2.323 por mês, a dos pretos e pardos é de R$ 1.526. Conforme a pesquisa, a diferença expõe a vantagem dos brancos sobre os negros tanto no alcance de um padrão de vida melhor quanto na manutenção desse padrão, muitas vezes, herdado. 

“Percebemos que o quadro tem se arrastado e a situação se repetido ano após ano”, afirma a pesquisadora do IBGE Maria Luiza Toledo. 

Quando a renda é destrinchada por tipo de ocupação, o disparate fica ainda mais evidente. Em Belo Horizonte, os brancos que trabalham na formalidade recebem 94% a mais do que os pretos e pardos, índice que cai para 67,8% quando se tratam dos informais. Em Minas Gerais, o salário dos brancos é 49,8% maior nas ocupações formais e 43,2% nas informais.

Os números assustam, mas retratam cientificamente o que vemos no dia a dia, conforme afirma o presidente do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG), Paulo Roberto Bretas. 

“Se você der uma volta na cidade e reparar os catadores, que têm uma condição de renda pior, por exemplo, verá que a imensa maioria é preta e parda. As pessoas em situação de miserabilidade também. O Estado falhou drasticamente na missão de levar justiça social e dignidade para o cidadão negro depois da libertação dos escravos. E continua falhando”, critica o economista.

A catadora de recicláveis Silvia da Paixão acredita que a desigualdade é reflexo do preconceito. Ela, que desde os nove anos está na informalidade, chegou a morar debaixo de viadutos e criou seis filhos sozinha. 

Hoje, vê uma das filhas disputando vaga no curso de medicina pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Mesmo que ela consiga, a catadora sabe que a vida da filha, também negra, será cheia de dificuldades.

“Acho que o negro está nas profissões mais desvalorizadas, não por falta de estudos, mas por preconceito mesmo, porque nós também estudamos. Eu estudei, você estudou (o repórter que a entrevistou também é negro). Somos vistos como menores. Como morei debaixo do viaduto, tive que entrar na Justiça para meus filhos estudarem, porque precisava de conta de luz e água como comprovante de endereço para matrícula, e eu nunca tive”, lamenta.

 

Abismo é maior entre mulheres, que recebem 56,6% a menos que os homens brancos

Quando o gênero também é levado em consideração, a pesquisa do IBGE mostra um verdadeiro abismo entre os homens brancos, que têm a maior renda, e as mulheres negras, com a pior. Quando os rendimentos são confrontados, elas recebem 56,6% a menos na mesma função em Minas Gerais. O índice é 13,2 pontos percentuais maior do que a média nacional.

“Mais uma vez, a pesquisa mostra que o homen branco é mais beneficiado e as mulheres negras mais prejudicadas”, diz a pesquisadora do IBGE, Maria Luíza Toledo. 

No galpão da Associação de Catadores de Papel, Papelão e Materiais Reciclaveis (Asmare), no bairro Prado, região Oeste de Belo Horizonte, elas são maioria. Negras, de diferentes idades e com estudo limitado ao ensino fundamental, até tentam mudar de emprego, mas são reféns das poucas condições de renda.

“Minha vida sempre foi essa, desde pequena tive que trabalhar, por falta de emprego, mas o negro sem escolaridade não é nada. Quando parei para estudar, tive que voltar por falta de dinheiro. Precisava criar meus filhos”, conta Angélica das Graças, de 33 anos.

Mais nova, Michelle Ferreira, de 28 anos, já está há seis na profissão. “O preconceito nunca mudou. Estamos nos piores empregos, nas piores escolas”, afirma.

Leia também:
Presença de negros avança nas instituições públicas, mas ainda há gargalos