O pagamento do Auxílio Brasil vai começar a ser feito nesta quarta-feira (17). Assim como seu antecessor, o Bolsa Família, o novo benefício será pago pela Caixa Econômica Federal e tem como público-alvo as famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza. 

Nesta terça-feira (16), o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou o calendário de pagamentos. Os beneficiários que possuem o Número de Identificação Social (NIS) com final 1, poderão fazer o saque nesta quarta. A partir daí, os pagamentos seguirão de acordo com o último dígito do NIS, em ordem crescente. Confira o calendário de novembro completo no final da matéria, ou, neste link.

Quem pode receber

O novo benefício será pago às famílias em situação de extrema pobreza, em situação de pobreza ou famílias já beneficiárias cuja renda em algum momento superar o limite do programa. Além disso, para quem já recebia o Bolsa Família o Auxílio Brasil será pago automaticamente. Os inscritos no CadÚnico que não recebiam o auxílio anterior irão para a lista de espera.

Consultas

As informações sobre o benefício, como saldo e pagamento de parcelas, poderão ser consultadas pelo aplicativo Caixa Tem. Já quem possui o aplicativo do Bolsa Família no celular, será redirecionado para a plataforma do Auxílio Brasil, em que também terá acesso às informações do programa. O beneficiário também pode ligar no telefone 121, do Ministério da Cidadania, para saber se tem direito ao novo auxílio e qual valor será pago.

Como receber

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, informou que os cartões e senhas utilizados para o saque do Bolsa Família continuarão válidos para o recebimento do Auxílio Brasil. As famílias que recebem o benefício pelo aplicativo Caixa Tem, em conta Poupança Digital, receberão na mesma modalidade e poderão continuar movimentando a conta pelo celular.

Calendário Novembro Auxílio BrasilAuxílio Brasil será pago às famílias em situação de extrema pobreza

Leia também
BH tem insumos para começar vacinação de maiores de 18 anos com dose de reforço; faltam mais vacinas
Ministro da Educação nega interferência nas provas do Enem