Poucas horas após a Caixa Econômica Federal disponibilizar o site e o aplicativo para informais, autônomos, desempregados e MEIs solicitarem o auxílio emergencial de R$ 600,00, usuários reclamaram de instabilidade nas plataformas. Os serviços, inclusive, chegaram a ficar fora do ar por uma hora, no início da tarde desta quinta-feira (7).

Pelas redes sociais, há vários relatos de pessoas que encontraram dificuldades em fazer o download do aplicativo, e também em realizar o cadastro no site disponibilizado pela Caixa.

O carpinteiro Alberto Silva afirmou que estava tentando se inscrever desde o início desta manhã e que conseguiu realizar o cadastro depois de algumas tentativas. "Tentei várias vezes baixar o aplicativo no meu celular, que é IOS (sistema operacional), mas não consegui. Depois de algum tempo insistindo, consegui me cadastrar pelo site. Espero que agora dê tudo certo, esse auxílio vai ser importante demais neste momento", afirmou Silva. 

O Hoje em Dia procurou o Ministério da Cidadania - pasta que desenvolveu o auxílio, juntamente com o Ministério da Economia - em busca de uma posição do órgão em relação às essas reclamações, mas a assessoria de comunicação da pasta afirmou que tal situação deveria ser apurada junto à Caixa Econômica Federal.

A Caixa, por sua vez, não respondeu à demanda até a última atualização desta reportagem.

Além do app e do portal, o órgão disponibilizou o telefone 111 para que os interessados em receber o benefício tirem dúvidas.

O auxílio

O auxílio emergencial de R$ 600 a R$ 1.200 para ajudar os trabalhadores durante a crise do coronavírus começa a ser pago a partir desta quinta-feira (9), segundo o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

O valor será depositado por três meses, mas o período da ajuda poderá ser prorrogado pelo governo, dependendo da propagação da doença. O próprio aplicativo avaliará se o trabalhador cumpre os cerca de dez requisitos exigidos pela lei para o recebimento da renda básica. O pagamento poderá ser feito em até 48 horas depois que a Caixa receber os dados dos beneficiários.

Quem não tem conta em bancos poderá retirar o benefício em casas lotéricas. Quem estava registrado no CadÚnico até 20 de março de 2020, ou já recebe Bolsa Família, não precisa fazer um novo cadastro. Quem precisa realizar o procedimento são os trabalhadores sem carteira assinada (informais) e quem contribui para a Previdência como autônomo ou como MEI (microempreendedor individual).

Saiba quem tem direito ao benefício

1- Trabalhadores que cumpram uma das condições:

- Ser microempreendedor individual (MEI);

- Ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);

- Ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único — quem não estiver cadastrado poderá fazer uma autodeclaração por meio de aplicativo disponibilizado nesta terça-feira

2 - Maiores de 18 anos

3 - Família com renda mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135)

4 - Não ter tido rendimentos tributáveis, em 2018, acima de R$ 28.559,70 Bolsa Família

Os beneficiários do Programa Bolsa Família não precisarão baixar o aplicativo. Eles já estão inscritos na base de dados e poderão, entre os dias 16 e 30, escolher se receberão o Bolsa Família ou a renda básica emergencial, optando pelo valor mais vantajoso.

Leia mais:
INSS antecipa pagamento de um salário mínimo de auxílio-doença; saiba como proceder
Dinheiro bem-vindo: aplicativo que cadastrará informais para auxílio de R$ 600 é esperado hoje
UFMG lança cartilha para orientar quem tem direito ao auxílio emergencial do governo