Apenas os serviços essenciais ficam liberados para funcionamento em Belo Horizonte a partir desta segunda-feira (29). A explosão de casos, mortes e internações pelo novo coronavírus levou o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 a recuar o processo de flexibilização do comércio na cidade depois de 33 dias. 

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (26) pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) e pelos médicos que integram o Comitê de Enfrentamento à Covid-19. Com isso, lojas que estavam autorizadas a funcionar terão que fechar as portas mais uma vez. 

Já os estabelecimentos considerados essenciais que podem abrir as portas terão que cumprir horários de funcionamento. Confira:

5h às 21h:
- Padaria

5h às 17h
- Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista da fase de controle

- 7h às 21h:
Comércio varejista de laticínios e frios
Açougue e Peixaria 
Hortifrutigranjeiros 
Minimercados, mercearias e armazéns 
Supermercados e hipermercados
Tintas, solventes e materiais para pintura
Material elétrico e hidráulico, vidros e ferragem
Madeireira
Material de construção em geral

Sem restrição de horário:
Artigos farmacêuticos 
Comércio varejista de artigos de óptica 
Artigos médicos e ortopédicos 
Combustíveis para veículos automotores
Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP)
Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de valores imobiliários
Casas lotéricas
Agências dos Correios e telégrafo
Comércio de medicamentos para animais
Atividades industriais
Restaurantes (delivery ou retirada na porta)
Banca de jornais e revistas

Leia também:
'Furões da quarentena' promovem festival de desrespeito em avenida de BH
Caixa inicia hoje o pagamento do Saque Emergencial do FGTS
Infectologista avalia gestão da pandemia e diz que mudanças de vida serão expressivas