saúde e bem-estar

Zero glúten: sem tratamento, doença celíaca pode provocar câncer do intestino

Raquel Gontijo
raquel.maria@hojeemdia.com.br
Publicado em 16/05/2022 às 06:00.
 (Ricardo Bastos/Arquivo Hoje em Dia)

(Ricardo Bastos/Arquivo Hoje em Dia)

Já ouviu falar em doença celíaca? Ainda desconhecida por grande parte da população, a enfermidade atinge pessoas geneticamente intolerantes ao glúten. Quem tem a condição, mas insiste em manter no cardápio pizzas, macarrão, pães e cerveja terá transtornos muito maiores do que dores no estômago.

Sem o devido tratamento, o paciente pode desenvolver câncer do intestino. O alerta para a importância do diagnóstico precoce ganha força com a campanha Maio Verde. Médicos e nutricionistas reforçam que os pacientes precisam substituir os alimentos. Mas a dieta deve ser acompanhada por profissionais.

Gastroenterologista pediátrica e membro do conselho consultivo da Associação dos Celíacos do Brasil (Acelbra-MG), Paula Valladares Guerra Resende explica que a doença celíaca não tem cura. Os sintomas mais comuns são diarreia crônica, distensão abdominal, emagrecimento, desnutrição e anemia.

Conforme a médica, o diagnóstico pode ser feito por meio de um exame de sangue. “Mas, dependendo da alteração, é preciso pedir um segundo exame e, em alguns casos, o encaminhamento para uma endoscopia”.

Há diferença entre doença celíaca e intolerância ao glúten. Na enfermidade, o organismo não aceita a proteína, provocando a inflamação. Já a intolerância pode causar desconfortos, mas sem reações graves

O risco é maior para pessoas com diabetes, hipotireoidismo e síndrome de Down. “Nos casos em que o paciente tem parentesco de primeiro grau com outro celíaco, as chances sobem para 10%”, acrescenta Paula Resende. 

Além do câncer, a enfermidade pode causar osteoporose, abortos de repetição, esterilidade e alterações no humor. Em crianças, o distúrbio pode provocar alterações irreversíveis no peso e no crescimento. 

Dieta
De acordo com a coordenadora do curso de Nutrição das Faculdades Kennedy, em BH, Natália de Carvalho Teixeira, se a intenção é apenas ter uma vida saudável, não é preciso abandonar a proteína.

“Com exceção dos pacientes celíacos, não existe nenhum estudo conclusivo que aponte a necessidade de retirada dos alimentos com glúten da nossa dieta”.

Atualmente, a legislação obriga as indústrias a informar nos rótulos dos alimentos se o produto tem a proteína na composição

A nutricionista lembra que, quando necessária, a retirada e a substituição devem ser feitas por um profissional. “Ao montar uma dieta por conta própria, o paciente pode tirar da alimentação nutrientes importantes. O nutricionista é quem vai orientar melhor as substituições adequadas”, explica. 

Segundo ela, alimentos como farinha de arroz, mandioca, milho e fécula de batata são exemplos de substituições saudáveis. 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por