Comércio

Ovo artesanal deve liderar vendas nesta Páscoa, aponta pesquisa

Da Redação
primeiroplano@hojeemdia.com.br
07/04/2022 às 15:28.
Atualizado em 07/04/2022 às 18:13
 (Acervo Danda Duarte/Divulgação)

(Acervo Danda Duarte/Divulgação)

O ovo artesanal promete ser o campeão de vendas na Páscoa deste ano em Belo Horizonte, aponta pesquisa realizada Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH).

Para 46,2% dos participantes da pesquisa, o ovo artersanal é o produto que terá a melhor saída na Páscoa deste ano, comemorada no próximo dia 17. Em seguida, aparece o ovo de Páscoa industrializado, com 34,6% das citações. Tabletes ou barras de chocolate (33,7%), doces gourmet (30,8%) e bombons ou trufas (24%) também estão na preferência dos consumdores ouidos no levantamento.

A pesquisa “Intenção de Vendas” foi realizada pela CDL/BH com lojistas da capital entre os dias 16 e 21 de março.

Conforme a CDL, comerciantes da capital estão otimistas com a Páscoa. A data tem aumentado a expectativa de 52,9% dos varejistas. Para eles, as vendas serão superiores às do último ano. Para atender a demanda, 43,3% dos lojistas pretendem aumentar o estoque, em comparação a 2021.

De acordo com o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, o controle da pandemia tem permitindo que as pessoas retomem os  compromissos sociais. "Com isso, a expectativa é de que a Páscoa deste ano reúna família e amigos. E isso, com certeza, vai refletir nas vendas dos produtos sazonais." - afirma Souza e Silva.

A pesquisa revelou ainda as vendas devem refletir a flexibilização das medidas sanitáriaspelas autoridades de saúde da capital, na pandemia. A pesquisa apontou que "para 81,7% dos entrevistados, o avanço da vacinação e a redução das medidas restritivas têm impactado positivamente as vendas”, analisa o presidente da CDL/BH.

Tíquete médio

Os varejistas esperam que cada consumidor gaste até R$ 53,96 por item. A previsão é que os clientes comprem, em média, três itens de Páscoa, totalizando R$ 161,89. De acordo com o relato de lojistas, os consumidores estão mais cautelosos e pesquisando preços antes de efetuar a compra.

Ainda de acordo com o setor do comércio, desde o início da pandemia, o c consumidor se tornou mais cauteloso com as compras. "A pesquisa de preços é cada vez mais comum, até mesmo quando o produto desejado não possui alto valor de investimento. A tendência é que esse comportamento seja mantido em datas comemorativas”, reflete Souza e Silva.

Baixa contratação

Apesar de os lojistas sinalizarem boas expectativas para a data, 88,5% afirmam que não pretendem realizar contratações temporárias. Já dentre os que vão admitir (11,5%), a expectativa é que, em média, dois colaboradores sejam contratados.

O ambiente inflacionário também tem impactado a compra com fornecedores. De acordo com a pesquisa, 86,4% dos comerciantes identificaram aumento dos preços. Sendo que para 59,6% aumentou muito; 25% aumentaram; 15,4% estáveis.

Reforço da divulgação

Para atrair a clientela, os varejistas pretendem investir na divulgação dos produtos (60,6%). As principais ferramentas utilizadas serão o Instagram (49%), cartazes ou faixas na vitrine da loja (34,6%), Whatsapp (31,7%), site da loja (25%), e Facebook: 18,3%.

Além da divulgação, os entrevistados também pretendem utilizar outros recursos para alavancar as vendas. Dentre eles estão as ofertas de combos ou kits (30,8%), decoração da loja (27,9%),variedade de produtos (26,9%)

Leia mais:

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por