Depois de o Minas Tênis Clube divulgar nota em que diz orientar internamente o jogador Maurício Souza a respeito de postagens de cunho homofóbico e patrocinadores do time de vôlei masculino pedirem providências ao clube, Carol Gattaz usou as redes sociais para dizer “chega”.  A capitã da equipe feminina ressaltou que homofobia é crime.

“Já toleramos desrespeito, gracinhas e preconceitos disfarçados de opinião por muito tempo. Chega!”, disse a vice-campeã olímpica (confira a postagem de Carol Gattaz abaixo).

Líbero da equipe masculina, Maique apoiou Gattaz. “É sobre isso”, comentou. 

 

Entenda o caso

Há cerca de uma semana, Maurício Souza usou as redes sociais (veja abaixo) para criticar uma reportagem que trata sobre um anúncio da empresa DC Comics, em que o novo Super-Homem, filho de Clark Kent, assumirá que é bissexual nas próximas edições da revista em quadrinhos.

No Instagram, Maurício teceu o seguinte comentário. “Ah é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar”, escreveu o central.
Já na última quinta-feira (21), a torcida Independente do Minas divulgou nota oficial informando que passaria a ignorar o jogador em redes sociais, jogos e manifestações.

Em resposta à reação negativa dos torcedores, o atleta afirmou, também por meio de mídias digitais, que “hoje em dia, o certo é errado e o errado é o certo”, e que “ficaria com suas crenças, valores e ideais”.

Nesta terça-feira (26), os patrocinadores do time masculino de vôlei do Minas, Fiat e Gerdau, publicaram notas em que repudiavam as declarações de Maurício e pediam medidas do Minas. 

A diretoria do clube e os patrocinadores se reuniram nesta terça-feira. No começo da noite, Maurício Souza foi multado e afastado pelo clube.

Leia mais:
Patrocinadores do Minas repudiam declarações de Maurício Souza e cobram medidas do clube