Equipes do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) estão em Belo Horizonte para avaliar os destroços do avião que caiu no bairro Caiçara, região Noroeste da capital, nesta segunda-feira (21). O órgão da Força Aérea Brasileira (FAB) vai determinar o que provocou a queda da aeronave, que matou três pessoas e deixou outras três feridas.

Os especialistas vieram do Rio de Janeiro e chegaram à capital mineira no início desta tarde. Além da carcaça do avião, três carros e os postes que foram atingidos também estão sendo periciados. O Cenipa não informou quando o inquérito será concluído e nem deu previsão de quando o piloto, que sobreviveu e está internado no Hospital de Pronto-Socorro João XIII, será ouvido. 

FAB

Além da carcaça do avião, três carros e os postes que foram atingidos também estão sendo periciados

O especialista em segurança de voo Sérgio Mourão disse que ainda é prematuro apontar a causa do acidente aéreo, mas acredita que tenha ocorrido uma falha mecânica. “Pode ter acontecido uma perda de potência, mas só o Cenipa pode apontar”, declarou. 

O avião de matrícula PRETJ foi fabricado em 2007 e tinha capacidade para transportar, no máximo, três pessoas, além do piloto. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), ele estava com a vistoria em dia e a próxima revisão estava prevista para acontecer em 2020. 

Acidente 

A queda do avião de pequeno porte deixou três mortos e três feridos, na manhã desta segunda-feira (21), no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte. Antes de cair, a aeronave atingiu a rede elétrica e explodiu. Três carros foram destruídos pelas chamas.

O acidente aconteceu no cruzamento das ruas Minerva com Rosinha Sigaud, próximo ao Aeroporto Carlos Prates. Os destroços ficaram espalhados na rua e uma densa fumaça escura tomou conta da região. Moradores registraram o momento em que a aeronave caiu.

As três vítimas foram socorridas e levadas para o Hospital de Pronto-Socorro João XIII. 

Leia mais:
Moradores organizam protesto após queda de avião no Caiçara: ‘mais segurança’