O ônibus que levava 47 passageiros e caiu em um barranco na BR-381, em João Monlevade, na Região Metropolitana de BH, estava habilitado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mas com a licença de viagem inadequada, informou a ANTT nesta quarta-feira (29). O veículo se acidentou durante uma viagem de Belo Horizonte para Guarapari (ES) e deixou 30 feridos e duas pessoas mortas.

Segundo a agência, o ônibus estava autorizado "para realizar o transporte de passageiros na modalidade de fretamento na frota da empresa Jundiá Transportadora Turística LTDA". No entanto, apurações preliminares da ANTT apontam que a licença de viagem foi emitida de maneira inadequada, uma vez que constavam apenas 10 nomes na lista de passageiros e o veículo transportava 47 pessoas. Ainda conforme a agência, as licenças de viagem também foram emitidas para a Jundiá.

Em nota, a Jundiá lamentou o acidente e disse que o veículo estava com a documentação e manutenção em dia, com licença para viagem expedida e aprovada pela ANTT. Ela informou ainda que os motoristas são registrados na empresa e no órgão regulador e que estão com testes e exames em dia.

A empresa de transportes disse que continua dando suporte aos passageiros e ao motorista que estiveram envolvidos no acidente e que prestará assistência às famílias das vítimas. A Jundiá ressaltou que todas as suas viagens são cobertas por seguro, para garantir a plena assistência dos passageiros, motoristas e demais funcionários.

As causas do acidente ainda estão sendo apuradas e a transportadora irá aguardar e prestar suporte necessário "para que os órgãos responsáveis analisem, com a máxima brevidade, os fatores que causaram o acidente e que medidas de segurança sejam implementadas no local para evitar que fatos como este se repitam".

Em relação ao número de passageiros quatro vezes maior do que o autorizado pela licença de viagem, a Jundiá informou que aguarda posicionamento da diretoria.

Confira a íntegra da nota da Jundiá Transportadora Turística:

O ônibus que fazia a viagem Belo Horizonte/Guarapari e se acidentou na madrugada desta quarta-feira (29) estava com toda documentação em dia, assim como as licenças e autorizações dos motoristas escalados para a viagem.

A Jundiá Transportadora Turística é uma empresa tradicional, que preza pela qualidade de sua operação. A idade média dos veículos registrados na ANTT é de 4,67 anos. Todos os veículos, além das revisões obrigatórias dos fabricantes, são inspecionados a cada 5.000 km.

As razões do acidente ainda serão apuradas pelas autoridades, após perícias e depoimentos. Inicialmente, a informação que temos é que o motorista sofreu um mal súbito, o que também será objeto de investigação. O profissional é habilitado há sete anos e está com todas as licenças, exames de saúde e toxicológicos, registros e cursos em dia, assim como tinha cumprido o período de descanso obrigatório entre uma viagem e outra. 

O segundo motorista assumiria o ônibus na cidade de Manhuaçu (MG), após um total de cerca de 280 km ou cinco horas de viagem, menos do que exige a legislação.

A licença da ANTT para esta viagem estava regular, ainda que o sistema do órgão gere divergências em relação a horários, questão que é discutida permanentemente pelo setor de fretamento com a agência. O número de passageiros incluídos na listagem é diferente do número real por dificuldades operacionais relacionadas ao site da ANTT e que ainda estamos averiguando a razão. Isso não implica em riscos de segurança, trata-se de uma formalidade. E em nenhum momento a empresa deixou de informar às autoridades sobre a ocorrência da viagem. 

Reforçamos que todos os passageiros, constando ou não da licença, estão cobertos pelo seguro e estão sendo atendidos com toda solidariedade, sensibilidade e dedicação por nossa equipe.

Leia também:

Três vítimas de acidente envolvendo ônibus na BR-381 passam por cirurgia e permanecem internadas
Mais de 40 mil pessoas foram atingidas pelas chuvas em Minas