Centenas de pessoas protestaram no hall de entrada da Câmara Municipal de Belo Horizonte, na tarde desta sexta-feira (11), para pedir a entrada para a galeria do Plenário, onde acontece mais um dia de debates sobre o projeto Escola sem Partido, que tramita em primeiro turno. A entrada do público está vetada desde quarta-feira (9), quando a presidente da Casa, Nely Aquino, pediu o esvaziamento da galeria por falta de segurança. Houve confusão na ocasião.

Assim como aconteceu nessa quinta-feira (10), o público acompanhou o trabalho dos vereadores por meio de uma transmissão no hall da presidência. A maior parte dos manifestantes é formada por professores e estudantes, que protestam contra uma possível mudança no direcionamento educacional nas escolas municipais da cidade. A reunião desta sexta-feira foi encerrada às 16h, quando se verificou falta de quórum entre os vereadores.

O debate acontece em torno do Projeto de Lei 274/17, que provoca polêmica ao proibir professores de apresentar opiniões em sala de aula. Também de acordo com o texto, o Poder Público não "permitirá qualquer prática capaz de comprometer o desenvolvimento de sua personalidade em harmonia com a respectiva identidade biológica de sexo, sendo vedada, especialmente, a aplicação dos postulados da teoria ou ideologia de gênero".

Desde setembro, quando o projeto entrou em discussão, a oposição vem obstruindo a pauta, lançando dezenas de requerimentos referentes ao conteúdo do texto. Enquanto esse projeto não é votado ou retirado da pauta, nenhum outro pode ser votado. A expectativa é de que a votação aconteça na segunda-feira (14).

Confusão

Na quarta-feira (9), após vários dias de tensão durante os debates sobre o projeto, houve confusão na galeria da Câmara. Acreditando que poderia haver um tumulto, a presidente Nely Aquino mandou que a galeria fosse esvaziada. Houve protesto de parte dos presentes e embate entre algumas pessoas e os seguranças da Câmara.

Poucas horas depois, à noite, o debate sobre o projeto teve continuidade em uma reunião extraordinária, mas, dessa vez, sem plateia. E novamente houve tumulto, mas desta vez entre parlamentares. A confusão aconteceu quando Mateus Simões (Novo) empurrou Gilson Reis (PCdoB). A cena foi flagrada por imagens da câmera da Casa.

Leia mais:
Pauta congelada: Escola sem Partido impede tramitação de propostas no Legislativo de BH
Sessão é encerrada após acordo e projeto do 'Escola sem Partido' deve ser votado na segunda
'Não podemos permitir que a Câmara se torne um MMA', diz Gilson Reis sobre empurrão de Mateus Simões
Após agressões em galerias na Câmara, professores anunciam paralisação em BH