A Agência Nacional de Mineração (ANM) fez uma inspeção na barragem B6, localizada no Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira (21), após empregados que trabalham na estrutura divulgarem um vídeo que mostra uma lama espessa escorrendo nas canaletas. 

No vídeo, é possível ouvir o funcionário dizendo que o local seria uma “bomba relógio”.

Assista:

A estrutura pertence à Vale e fica ao lado da que se rompeu no dia 25 de janeiro, matando 255 pessoas.

Segundo a ANM, “o vídeo mostra a saída pela canaleta do material que veio com o rompimento da Barragem I e ficou acumulado sobre a Barragem VI. Por mais que tenha sido feita a raspagem do material à época, ainda sobraram resquícios. Foi plantada grama em cima do barramento para a recuperação do talude, mas, com as chuvas, o material escorreu, assoreando a canaleta. Os técnicos da ANM fizeram uma inspeção e verificaram que não há anomalias na estrutura, tampouco risco à segurança da barragem”, diz o comunicado.

Em nota, a Vale informou que não houve alteração na estabilidade da barragem B6 e que a estrutura está segura. A umidade encontrada nos tapetes de grama é resultado de água das chuvas ocorridas nas últimas semanas. Ainda segundo a mineradora, o material visto nas canaletas é residual do rompimento da B1, que ficou acumulado. “Com as chuvas, as águas transportaram o rejeito até as canaletas, sem comprometer a estrutura da barragem”. 

Nesta quinta-feira (21), dezenas de moradores de Brumadinho protestam em frente ao Fórum Lafayette, na unidade da avenida Raja Gabaglia, durante uma audiência pública com a Vale, o Ministério Público Estadual e representantes de atingidos do desastre na mina do Córrego do Feijão, ocorrido em 25 de janeiro.

Leia mais:

Ajudante de 25 anos é a 255ª vítima da tragédia em Brumadinho a ser identificada
MPF analisa denúncias de racismo e perseguição da Fundação Renova contra moradores de Barra Longa