A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um teste para detectar a Covid-19 desenvolvido por pesquisadores da UFMG. O projeto é 100% nacional, com todos os componentes produzidos no Brasil.

O exame, chamado Kit EIE Covid-19 IgG, foi criado há mais de um ano, mas só teve o registro publicado no Diário Oficial da União na última segunda-feira (4). Ele é baseado no método Elisa - sigla para ensaio de imunoabsorção enzimática em inglês - e se destaca pela alta sensibilidade, o que evita resultados falsos.

Experimentos laboratoriais do teste tiveram percentual de assertividade acima de 95%. O exame é realizado apenas com uma amostra de sangue do paciente. Os pesquisadores produziram, de forma recombinante, uma proteína do vírus. Se houver anticporpos, o sangue se une à essa proteína. A estimativa é que o procedimento seja executado em cerca de quatro horas. 

O kit foi desenvolvido pelo Centro Tecnológico de Vacinas da UFMG (CT Vacinas), em parceria com pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz. Participaram da iniciativa, por meio de financiamentos, a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCT-V) e a Rede Vírus do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações (MCTI).

O Hoje em Dia entrou em contato com a universidade para saber o prazo e as condições em que o teste será disponibilizado no mercado, mas ainda não teve resposta.

Leia mais:
Sem distanciamento na sala e ar-condicionado ligado: veja todas as regras para as escolas de BH
Comércio de BH está liberado para abrir no feriado de terça-feira, diz CDL