Mesmo com a decisão da Justiça Federal de que os professores do Colégio Militar de Belo Horizonte deveriam manter o teletrabalho, a escola regida pelo Exército retomou as aulas presenciais nesta segunda-feira (21). Esta é a primeira unidade de educação básica na capital a adotar a medida desde março, quando foi determinada a suspensão das atividades devido à pandemia de Covid-19.

Para cumprir a ordem judicial, o colégio informou que os professores civis ficarão em casa para teletrabalho. “No entanto, mesmo sem a presença dos professores civis, as atividades de aula serão conduzidas pelos professores militares do CMBH”, diz um comunicado, publicado neste domingo (20), assinado pelo coronel Régis Rodrigues Nunes, comandante e diretor de Ensino do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva e do colégio.

De acordo com o documento, voltam nesta segunda-feira os alunos do Ensino Médio. Na terça-feira (22), será a vez dos estudantes dos 8º e 9º anos do Fundamental, enquanto na quarta (23), a volta é para 2º e 3º anos também do Fundamental. Na quinta (24), o dia foi reservado aos 8º e 9º anos, enquanto, na sexta (25), têm aulas s jovens do 1º e 3º ano do Médio.

Na sexta-feira (18), o Ministério Público Federal pediu explicações à escola sobre as medidas de segurança adotadas. No documento, o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Helder Magno da Silva, solicitou a apresentação de estudos técnicos e os protocolos de segurança sanitária que sustentam o retorno às atividades educacionais presenciais na unidade, que tem 620 alunos.

De acordo com a instituição, o planejamento é de um retorno escalonado. Ainda segundo o documento, todos os alunos deverão usar máscaras, não poderão ter contato físico e deverão obedecer normas de higiene, como o uso de álcool em gel.

Para o infectologista Carlos Starling, integrante do Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte, o retorno às aulas do Colégio Militar é irresponsável, pois não há condições para uma reabertura nas escolas neste momento em que a cidade registra 162 casos de Covid a cada 100 mil habitantes.