Mais um paciente foi internado com sintomas de intoxicação após consumir a cerveja Belorizontina em Minas Gerais, desta vez, em Araxá, no Alto Paranaíba. A Secretaria Municipal de Saúde notificou o caso suspeito à Secretaria de Estado de Saúde, que ainda não confirmou.         

O paciente foi internado nesta semana com os sintomas da síndrome nefroneural na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da cidade, onde passou por exames que foram encaminhados para a Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte. Ainda de acordo com a Secretaria Municipal de Araxá, "o paciente está em bom estado de saúde e não chegou a ser hospitalizado". 

A Vigilância Sanitária da cidade informou que os estabelecimentos que vendem cervejas artesanais já estão sendo fiscalizados. Isso porque o Ministério da Agricultura determinou que a Backer, fabricante da Belorizontina, recolha todos os seus 21 rótulos produzidos desde outubro. A Backer, no entanto, acionou a Justiça pedindo mais tempo para realizar o recall. 

Em entrevista na fábrica, a diretora de marketing da empresa, Paula Lebbos, foi categórica: “não bebam a Belorizontina”. Ela também prestou solidariedade às vítimas e familiares. Disse que a empresa estruturou uma equipe para entrar em contato com as pessoas, oferecendo ajuda. 

Até essa terça-feira (14), 17 casos suspeitos de intoxicação exógena por Dietilenoglicol haviam sido notificados à Secretaria de Estado de Saúde, sendo que quatro deles foram confirmados, dentre eles, o que evolui para óbito, em Juiz de Fora. Os outros 13 casos continuam em investigação. Até esta quarta (15), o paciente de Araxá ainda não havia sido incluído na lista oficial. 

Leia mais:

Morre em BH mais um paciente que pode ter se intoxicado com cerveja contaminada
Mapa da síndrome: casos suspeitos são registrados em seis cidades mineiras
Confira formas de tratamento para infectados com 'cerveja tóxica'; hospital pode usar até etanol
Backer pede que mercado de cervejas artesanais não seja afetado: 'não julguem'
Ministério e PC inspecionam Backer novamente; garrafas enviadas à Brasília não estavam violadas