Após o alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para queda brusca da temperatura em Minas Gerais e em outros oito estados a partir desta quarta-feira (28),  a Defesa Civil de Miunas Gerais se reuniu, por videoconferência, com coordenadores municipais de Proteção e Defesa Civil (Compdec) para orientar as cidades sobre esse período, quando os termômetros marcarão cinco graus a menos até o próximo domingo (1).

O órgão estadual recomenda a realização de ações conjuntas com as secretarias municipais de Saúde e de Assistência Social, além de instituições religiosas e filantrópicas, para reforçar os cuidados com os idosos, pessoas em situação de vulnerabilidade social e com doenças crônicas.

As localidades deverão acompanhar ainda a evolução da frente fria por meio dos boletins meteorológicos e reforçar com a população a importância do cadastro no serviço de alertas da Defesa Civil Estadual. Vale lembrar que para receber os informes, basta enviar um SMS (mensagem de texto), com o CEP da residência ou o local desejado, para o número 40199.

Uma nova onda de frio intenso chega ao Estado nesta quarta e, segundo informações do Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Simge), a massa de ar frio vai atuar com maior intensidade entre o Sul, Triângulo, Centro/Sul das regiões Central e Metropolitana, Oeste, Campo das Vertentes e Zona da Mata.

Temperaturas negativas devem ocorrer no Sul de Minas e Campo das Vertentes, podendo provocar geada de média a forte intensidade.

Sexta-feira (29) deve ser o dia mais seco, aumentando a amplitude térmica e fazendo com que a madrugada de sábado (30) seja a mais fria, com mínimas abaixo dos 7°C na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Em 1º e 2 de agosto, a circulação dos ventos pode mudar para Noroeste e haverá aumento gradativo das temperaturas, iniciando a partir do Centro/Oeste do Estado.

Orientações aos municípios

  • - Prever e deixar os abrigos/casas de acolhimento destinados à população carente em condições para receber os atingidos, considerando ainda o possível aumento na demanda. Além de estar atentos aos protocolos sanitários frente à pandemia de covid-19;
  • - preparar recursos humanos e logísticos para o funcionamento dos abrigos;
  • - levantar o número de pessoas afetadas/em situação de rua, com atenção especial aos idosos;
  • - prever local para recebimento de doações (distintos dos locais de abrigo) para receber e triar o material arrecadado;
  • - realizar campanha junto à comunidade para doação de cobertores, roupas de frio e alimentos não perecíveis;
  • - alertar a população quanto aos animais domésticos (abrigá-los nos dias mais críticos).

Leia Mais:
Saúde mental no esporte e quebra de tabu: por que precisamos falar de Simone Biles?
Um dia após aumento nas taxas, índices que monitoram a Covid-19 caem em BH
'Busão da Vacina' chega em Contagem nesta quinta-feira