O aumento no preço do óleo diesel anunciado nesta terça-feira (28) pela Petrobras levou o presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustível e Derivados do Petróleo de Minas Gerais (Sinditanque-MG), Irani Gomes, a afirmar que a categoria “vai cruzar os braços a qualquer momento em Minas”.

Sem divulgar data específica para o ato, o presidente disse, em vídeo divulgado nas redes sociais, que “está vendo a hora que o Brasil vai parar novamente, como aconteceu em 2018, devido aos aumentos nos combustíveis”.

Irani ainda explicou que o óleo diesel representa mais de 60% no custo dos fretes, que "nenhuma categoria de transporte consegue pagar as dívidas" e que “não tem condições de trabalhar do jeito que está”.

O presidente ainda finalizou apelando para que os governos estadual e federal entrem em um consenso e reduzam os preços dos combustíveis.

Aumento

De acordo com a Petrobras, o preço médio de venda nas refinarias do óleo diesel vai passar de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, um reajuste médio de R$ 0,25 por litro.

Nos postos de abastecimento, para o consumidor final, o preço deve subir R$ 0,22, considerando a mistura obrigatória de 12% de biodiesel e 88% de diesel.

Segundo a empresa, o reajuste reflete “parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio”.

Greve recente 

Há pouco mais de um mês, o Sindtanque-MG confirmou paralisação dos transportadores de combustíveis no feriado de 7 de Setembro, mas suspendeu após negociação com governo de Minas.

Mesmo assim, manifestações de caminhoneiros pela redução do ICMS, contra o momento político do país e pelo valor dos pedágios nas estradas bloquearam algumas rodovias em Minas no último dia 9.

Leia mais:
Entenda o processo nas estradas; saiba quais as reivindicações dos caminhoneiros
Bloqueio de caminhoneiros são registrados em pelo menos 15 estados; saiba quais
Tanqueiros tentam negociação com governo de Minas e suspendem paralisação