O Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Minas Gerais (Sindtanque-MG) confirmou, nesta segunda-feira (6), paralisação dos trabalhadores do setor de todo o Brasil durante o feriado de 7 de Setembro “até que a constituição federal seja respeitada”.

“Entendemos que essa luta não é só dos transportadores, das empresas que transportam esse país. Não é somente dos trabalhadores mas, sim, de toda a sociedade brasileira”, afirmou o presidente do sindicato, Irani Gomes.

De acordo com o representante dos tanqueiros, as atividades só retornarão após garantias de que a constituição será respeitada. O governo de Minas foi procurado para comentar o assunto, mas ainda não se posicionou.

“A liberdade foi conquistada com muito sangue, muita luta e não podemos abrir mão dela”, completou.

Na semana passada, Irani havia adiantado o interesse da classe participar dos protestos, desde que fossem "ordeiros, com responsabilidade e não-partidários".

Em agosto, o SindTanque sinalizou que poderia deflagrar um movimento grevista "como jamais visto" se o governo de Minas não reduzisse o ICMS sobre os produtos, especialmente o diesel.

Procurado, o Estado esclareceu, por nota, que as alíquotas não passaram por alterações recentemente. Segundo o Executivo, as últimas alterações foram em janeiro de 2018 (o imposto sobre a gasolina passou de 29% para 31% e sobre o etanol, de 14% para 16%) e em janeiro de 2012 (o ICMS do diesel saltou de 12% para 15%).

Leia mais:

7 de Setembro: veja onde serão as manifestações pró e contra Bolsonaro em BH
Unidades de Atendimento Integrado funcionam normalmente em MG nesta segunda, mas fecham no feriado