O Instituto Médico Legal (IML) da Polícia Civil, em Belo Horizonte, não está fazendo os exames necessários para detectar a presença de dietilenoglicol no corpo de pessoas que morreram com suspeita da intoxicação. Cinco vítimas ainda não tiveram a confirmação do tóxico no corpo, porque o reagente usado no processo acabou e não há previsão de novas aquisições.

A informação foi levantado pelo jornal Estado de Minas nesta quarta-feira (12) e confirmada pelo Hoje em Dia. Funcionários do IML sustentam que por não haver o reagente é que os laudos estão parados e o próprio instituto tem demandado mais tempo às investigações, que foram prorrogadas na segunda-feira (10).

Oficialmente, a alegação da Polícia Civil para prorrogar as investigações é devido à complexidade do caso e que as investigações estão bem adiantadas. Porém, além dos trabalhos de apuração criminal, que já duram 36 dias, os exames técnicos estão paralisados, conforme uma funcionária do IML relatou à reportagem.

"Em apenas um dos falecidos foi possível fazer o exame. Ainda tem os outros cinco, que já foram feitas as coletas de material, mas até hoje estão guardadas as amostras para que seja aplicado o reagente e consultado se realmente a causa do óbito foi a intoxicação", afirmou a servidora.

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), órgão ao qual a Polícia Civil é subordinada, diz que o orçamento da polícia é autônomo. A PC, por sua vez, confirma a falta do reagente, e diz que a compra já foi solicitada, mas que o estoque não havia sido atualizado anteriormente pois o produto não é de uso comum em necropsias de rotina.

Caso Backer

As investigações começaram no dia 8 de janeiro. Até o momento, 29 pessoas já foram ouvidas e 34 casos são acompanhados pela polícia. Não há prazo para que o inquérito seja finalizado.Os trabalhos são conduzidos pelo delegado Flávio Grossi, titular da 4ª Delegacia de Polícia Civil do Barreiro, no bairro Estoril, região Oeste da cidade.

A falta dos laudos não é o único entrave para o andamento do caso. Outro problema é a exumação do corpo de Maria Augusta de Campos Cordeiro, de 60 anos. Ela morreu em Pompéu, na região Central de Minas, em dezembro, mas só passou a ser acompanhada em 14 de janeiro, quando a família procurou a prefeitura da cidade, quando as notícias do caso repercutiram. A Justiça ainda não autorizou o pedido de exame no corpo solicitado pela Polícia Civil.

Nessa terça-feira (11), o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou um pedido de tutela antecipada contra a cervejaria Backer para defesa dos direitos dos consumidores que tomaram cervejas da marca supostamente contaminadas com dietilenoglicol e monoetilenoglicol.

Na ação, foi pedido o bloqueio dos bens da cervejaria, que seriam usados exclusivamente para reparação dos danos causados aos consumidores.

Segundo a promotora de Justiça Silvia Altaf Cedrola, a intenção é garantir a indenização e o suporte imediato às vítimas, uma vez que, segundo o MPMG, a cervejaria Backer não cumpriu o acordo extrajudicialmente firmado, negando apoio aos consumidores que ingeriram as cervejas colocadas no mercado para consumo. 

Na segunda-feira (10), familiares de vítimas com suspeita de intoxicação publicaram uma carta aberta acusando a cervejaria de negligência no suporte aos pacientes. "Até agora, mais de 30 dias da confirmação do caso e cinco dias depois do prazo estabelecido pelo Ministério Público, a Backer não prestou qualquer auxílio", diz o comunicado assinado.

Apesar de ter sido notificada pelo Ministério Público de Minas (MPMG) para custear as despesas envolvendo o tratamento de saúde das vítimas, a Backer não estaria, segundo os pacientes, dando apoio. "Nenhuma família foi respondida. Nenhum contato foi informado. Não está sendo prestada qualquer assistência", revela o comunicado.

Em nota, a Backer informou que "as tratativas feitas em conjunto com o Ministério Público Estadual estão sendo observadas na íntegra e todas as comunicações oficiais estão sendo formalizados perante a autoridade competente que está ciente do cumprimento dos atos pela empresa".

Leia Mais:
Por demora em recall de cervejas contaminadas, Backer é processada e pode ser multada em R$ 10 mi
Homem que morreu com suspeita de intoxicação por dietilenoglicol não passou por exames no IML
Laudo da PC aponta que tanque da cerveja não estava contaminado, mas confirma toxina na produção