No fim do ano, as pessoas se tornam mais solidárias e buscam praticar boas ações. Não por acaso, esta quinta-feira (5) é conhecida como o Dia Internacional do Voluntário, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) para disseminar o espírito de solidariedade entre as pessoas. Mas será que essa vontade de ajudar os outros justamente na véspera de Natal é genuína?  

O psicólogo e psicanalista Marcell Santos, mestre em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência pela UFMG, explica que quase todas as religiões dedicam uma época do ano para que as pessoas "se tornem melhores". 

"No Brasil, vivemos em uma sociedade judaica cristã, então, dezembro, o mês tido como de nascimento de Jesus, é o ideal para que paguemos nossos pecados. Ajudar ao próximo nesta época é uma possibilidade que encontramos para eliminar as nossas culpas psíquicas e começar um ano novo 'zerado', deixar a consciência limpa. Fazemos isso muito mais pelo nosso ego do que pelos outros. Mas claro que essas ações não são ruins, o problema é a localização delas, muitas vezes, concentradas somente nesta época do ano", observa.

Seja por egoísmo ou por altruísmo, o importante é que quanto mais gente se dedica a realizar ações de solidariedade, mais pessoas que precisam são, de fato, ajudadas. De acordo com o último estudo sobre outras formas de trabalho da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua, do IBGE, no ano passado, o voluntariado foi praticado por 7,2 milhões de pessoas em todo o país. No entanto, este número representa uma queda de 1,6% em relação ao ano anterior. 

Já em 2019, a série de desastres ambientais e, consequentemente, sociais, que acometeram o país - rompimento da barragem em Brumadinho, incêndios na Amazônia e vazamento de óleo no litoral do Nordeste - acabaram mobilizando mais pessoas dispostas a se doar pelo bem comum. Segundo a Fundação SOS Amazônia, a organização conta com 3.500 voluntários dedicados a monitorar a qualidade da água de rios nos Estados de Mata Atlântica, sendo que, neste ano, boa parte deles também se embrenhou em outras ações voluntárias como a limpeza das praias atingidas pelo óleo. 

Para se tornar um voluntário em qualquer área ou segmento, é possível doar dinheiro diretamente a instituições ou ONGs que dependem destes recursos para se manter ou mesmo a sua força de trabalho. Além disso, realizar ações de solidariedade de forma independente, como doar alimentos a moradores de rua ou livros a escolas que atendem crianças carentes também são formas eficientes de fazer a diferença.

Se ainda não sabe por onde começar, clique neste link e confira uma lista de 10 instituições em BH que contam com ajuda voluntária para funcionar e saiba como contribuir.

 

Leia mais:
ONG cria projeto de Natal para crianças de Brumadinho e ganha apoio do 'mundo do futebol'
Dia Nacional do Doador de Sangue: confira o perfil dos voluntários e onde doar em Minas