'Doença da Vaca Louca' afeta sistema nervoso dos animais e pode contaminar humanos; entenda

Lucas Sanches
lucas.araujo@hojeemdia.com.br
02/09/2021 às 13:41.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:48
 (Pixabay)

(Pixabay)

Notificada como caso suspeito em Minas Gerais, a Encefalopatia Espongiforme Bovina, popularmente conhecida como “Doença da Vaca Louca”, chamou a atenção nesta quinta (2), não só do setor agropecuário brasileiro, como também da população. Afinal, quais os riscos reais dessa doença para o gado e também para o ser humano?

O que é?

Trata-se de um problema neurológico que leva ao sacrifício dos animais e pode ser transmitido aos humanos. A doença é causada pelo príon, um agente infeccioso composto por proteínas que afeta o sistema nervoso dos bovinos. 

De acordo com a professora e coordenadora do curso de medicina veterinária das Faculdades Promove, Raquel Santos, a transmissão começa entre os próprios animais. “O contato entre os animais no pasto ou curral já é suficiente para transmitir a doença. Como o príon é relacionado às proteínas, a doença também pode se propagar na amamentação do gado e até mesmo da mãe para o feto”, comenta.

Por que a infecção acontece?

A médica veterinária destaca que os produtores têm um papel fundamental para evitar a disseminação da “Vaca Louca”. Ela conta que a falta de cuidados com a alimentação do rebanho é decisiva na contaminação.

“Os animais não podem comer nada que tenha proteínas de origem animal na composição. Farinha de carne e ossos, tecido nervoso e a conhecida cama de aviário são, inclusive, proibidos por Lei Federal”, explica.

Quais os sintomas?

A doença causa diversas alterações neurológicas no gado, como excitação excessiva, ranger de dentes e incoordenação motora. Como a doença não tem cura, o animal infectado é isolado e sacrificado. Para o diagnóstico clínico e laboratorial, fragmentos do sistema nervoso central são usados pelos médicos.

Como ela se manifesa em humanos?

Raquel Santos ressalta que a doença pode ser transmitida aos humanos, mas não como a “Vaca Louca”. “A transmissão para humanos se dá pelo consumo de carne que já esteja contaminada, e os sintomas são parecidos. Entretanto, os casos já registrados no mundo são da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), uma variante do príon que causa a doença nos animais”, ela conta.

Segundo a Fundação Ezequiel Dias, a DCJ tem rápida evolução e é fatal. Os sintomas em humanos envolvem manifestações psiquiátricas e perturbações sensoriais, seguidos de demência, movimentos involuntários, incontinência urinária, desorientação espacial e temporal, dificuldade de comunicação e de movimentação.

De acordo com o Ministério da Saúde, o tratamento mais conhecido da DCJ envolve drogas antivirais e corticoides. Atualmente, a intervenção recomendada pela pasta é de suporte e controle das complicações.

Qual a situação da doença no Brasil?

O Brasil teve 55 casos confirmados da DCJ entre 2005 e 2014, segundo registros do Ministério. Desde então, foi instituída uma vigilância da doença no país e nenhum outro caso foi confirmado. 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por