Mais uma vez, Belo Horizonte promete ter muitas chuvas ao longo de janeiro. Se no ano passado vários recordes foram batidos, 2021 já indica números altíssimos para o período. De acordo com a Defesa Civil, somente na região Centro-Sul da capital, choveu, em quatro dias, mais da metade do volume esperado para o mês todo.

Segundo o órgão, a média histórica de janeiro é de 329,1 mm. Ao todo, a regional Centro-Sul já acumulou 177 mm de água da chuva, o equivalente a 53,8% do previsto. Entre as 18h30 desse domingo (3) e as 6h30 desta segunda-feira (4), foram 53,4 mm, de longe o maior número da última madrugada. Confira a quantidade:

Barreiro - 26,0
Centro Sul - 53,4
Leste - 38,0
Nordeste - 34,2
Noroeste - 43,4
Norte - 29,2
Oeste - 40,6
Pampulha - 34,0
Venda Nova - 34,4

Ainda segundo a Defesa Civil, sete das nove regionais da capital mineira já ultrapassaram um terço do volume estimado para todo o mês. Veja a quantidade de água acumulada por região:

Barreiro - 64,2 (19,5%)
Centro Sul - 177,0 (53,8%)
Leste - 121,2 (36,8%)
Nordeste - 116,2 (35,3%)
Noroeste - 144,0 (43,8%)
Norte - 101,6 (30,9%)
Oeste - 129,4 (39,3%)
Pampulha - 114,6 (34,8%)
Venda Nova - 132,8 (40,4%)

Ocorrências

Apesar da chuva forte, o Corpo de Bombeiros afirmou que não há registros de ocorrências de alagamentos em pontos críticos de Belo Horizonte e Região Metropolitana. No entanto, a Defesa Civil chegou a bloquear a avenida Tereza Cristina, na altura das regionais do Barreiro e Oeste, e a Via-240, na região Norte e Nordeste, por risco de transbordamento em córregos próximos. Cerca de 40 minutos depois, o trânsito foi liberado nos locais

Os militares, por sua vez, foram acionados por conta de um deslizamento de terra no bairro Taquaril, na região Leste da cidade. No local, um barranco cedeu e obstruiu a porta de uma residência. A moradora, uma idosa, foi retirada sem ferimentos e deixada com parentes. O local foi interditado e a Defesa Civil acionada. 

Já no bairro Itapoã, na Pampulha, uma árvore de grande porte caiu e impediu o acesso de um morador à casa. Os militares compareceram ao local para fazer o corte e liberar a passagem. Não houve danos à rede elétrica nem vítimas.

Com a queda de energia após a chuva, a corporação foi acionada para resgatar um homem que estava preso dentro do elevador de um prédio no Carlos Prates, na região Noroeste da capital. Porém, a guarnição foi dispensada pois os técnicos da empresa responsável já haviam prestado suporte técnico.

Leia mais:

Após tempestades, semana em BH deve ter tempo instável e chuvas até sexta-feira
Idosa morre soterrada após deslizamento de talude em Muriaé; já são 8 óbitos pelas chuvas em Minas