O governo de Minas retomou nesta sexta-feira (31) as reuniões de orientação e monitoramento da Covid-19 com gestores de cidades das 14 macrorregiões de saúde do Estado. O primeiro encontro ocorreu com os prefeitos e secretários das cidades do Vale do Aço, região que passou por uma explosão de casos no mês passado. A situação na região melhorou em julho, mas 75% dos leitos de UTI seguem ocupados na atualidade.

De acordo com o chefe de gabinete da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), João Pinho, o quadro da saúde no local, que registrou sobrecarga no uso de leitos de UTI em cidades como Ipatinga, não está tão grave quanto antes, mas as reuniões foram retomadas para a prevenção à piora nos índices. O gestor não deu detalhes sobre os temas discutidos na reunião.

"Os índices do Vale do Aço ainda possuem um estágio que nos requer atenção, mas tivemos melhoras, principalmente após a atuação do Estado com os municípios", declarou.

Nesta sexta, o Vale do Aço tem 75,53% dos leitos de terapia intensiva ocupados. A pior ocupação está em Ipatinga, com 91,25% das 188 vagas de UTI em uso. Em Coronel Fabriciano e Timóteo, a ocupação está em 79,17%. Além do Vale do Aço, as macrorregiões Centro, Leste e Nordeste de Minas têm as taxas mais altas de ocupação.

No Estado, a média de ocupação das vagas de UTI está em 69,14%. Já o índice de lotação das vagas de UTI utilizadas por pacientes com Covid, ou sob suspeita, está em 28,11%.