O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), visitou, nesta quinta-feira (5), o Centro de Tecnologia em Vacinas da UFMG para conhecer o processo de pesquisa do imunizante contra Covid-19 SpiNTec. Os estudos contam com o investimento de R$ 30 milhões do Executivo. 

Para que o projeto seja concluído, o mandatário lembrou que o governo federal precisará contribuir com grande verba, o que possibilitará a chegada do produto ao mercado, prevista para 2022. “Temos que avisar a todos que saúde é dinheiro, não é papel. É investimento, custa caro. Tecnologia e desenvolvimento custam caro”, disse. 

“O passo grande agora é que os senadores, a bancada federal, Prefeitura de Belo Horizonte e governo de Minas fiquem em cima do governo federal para que isso aqui não seja abandonado”, completou.

Segundo Kalil, o sucesso da pesquisa pode tornar o Estado um dos protagonistas na imunização do país. “Estamos investindo porque há uma esperança muito grande de que essa vacina seja realmente uma que ponha Belo Horizonte e Minas Gerais na ponta de vacinação no Brasil”, garantiu.

A reitora da universidade, Sandra Regina Goulart Almeida, celebrou o empenho dos pesquisadores mesmo em um cenário desfavorável e com pouco investimento. “Esse projeto começou em março do ano passado, com apoio do Ministério de Ciências e Tecnologia, e floresceu diante do trabalho incansável da equipe”.

Além disso, ela lembrou que existe um plano para criação de um Centro Nacional de Vacinas. “Estamos contando com o apoio do ministério, do governo de Minas e da Prefeitura de Belo Horizonte. Somos um patrimônio da nossa cidade, do Estado e país. Estamos aqui para atender a sociedade”, concluiu.

Procurado pela reportagem do Hoje em Dia para comentar o assunto, a União não respondeu até a publicação da matéria.

*Com Fernando Michel

Leia mais:

BH terá mais dois pontos de vacinação contra a Covid-19 com horário noturno a partir desta sexta
Covid: Minas pode iniciar vacinação de adolescentes em setembro, diz secretário de Saúde