Kalil envia à Câmara de BH projeto de lei que garante distribuição de absorventes nas escolas

Deborah Almeida
dcosta@hojeemdia.com.br
02/09/2021 às 10:05.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:48
 (Reprodução/Pixabay)

(Reprodução/Pixabay)

O projeto de lei que prevê a distribuição gratuita de absorventes em escolas municipais será enviado à Câmara Municipal de Belo Horizonte pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) nesta quinta-feira (2). A informação foi antecipada pela vereadora Duda Salabert (PDT) na quarta-feira (1°), após uma reunião com o vice-prefeito, Fuad Noman (PSD), e confirmada pela prefeitura. 

A parlamentar relatou que apresentou em março deste ano um estudo sobre o gasto anual de R$ 69,35 para cada aluna da rede municipal, que representaria 0,00120% das despesas da Educação. Inicialmente, o "PL de dignidade menstrual" contemplaria estudantes do ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA). 

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, serão beneficiadas mensalmente mais de 40 mil estudantes – 35.899 meninas, entre 9 e 15 anos e 4.941 alunas matriculadas na EJA. A adesão será voluntária.

O investimento mensal para combater a pobreza menstrual será de R$ 235,9 mil, e a vereadora afirmou que Kalil pedirá urgência para a tramitação e aprovação do PL. Em suas redes sociais, Duda ressaltou: "Construímos política pública de modo intersetorial, envolvendo legislativo, executivo e conselhos municipais. Lembrando que tudo isso foi promessa que fiz na campanha”.

Em nota, a PBH informou que um dos objetivos da proposta é evitar a evasão escolar, já que estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU) revela que 10% das alunas deixam de ir às aulas no período menstrual, entre outras razões, pela falta de absorventes.

'Pobreza menstrual' 

Um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) sobre a pobreza menstrual no Brasil define o conceito como “falta de acesso a recursos, infraestrutura e conhecimento para que tenham plena capacidade de cuidar da sua menstruação”, e reforça a problemática por trás dos tabus. 

O debate sobre a pobreza menstrual reflete sobre vários aspectos, que incluem acesso de absorventes, papel higiênico e sabonete; disponibilidade de um banheiro seguro e com saneamento básico; acesso a medicamentos para administrar problemas menstruais e/ ou carência de serviços médicos; insuficiência e/ou incorreção nas informações sobre a saúde menstrual; tabus e preconceitos; dentre outros. 

Os resultados das pesquisas da Unicef sobre a pobreza menstrual nas escolas demonstram que:

  • 321 mil alunas, 3,0% do total de meninas estudantes brasileiras, estudam em escolas que não possuem banheiro em condições de uso;
  • 1,24 milhão de meninas, 11,6% do total de alunas, não têm a sua disposição papel higiênico nos banheiros das escolas em que estudam
  • 652 mil meninas, 6% do total, não possuem acesso a pias ou lavatórios em condições de uso em suas escolas;
  • 4 milhões de meninas, 38,1% do total das estudantes, frequentam escolas com a privação de pelo menos um dos requisitos mínimos de higiene (água, sabão, higiene e saneamento básico.

Diante disso, vários projetos vêm sendo elaborados para combater esse cenário, que vão desde movimentos sociais até a aprovação de leis que garantam o acesso às condições básicas de saúde. 

O estudo completo pode ser acessado aqui.

Leia mais: 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por