Instaladas há pouco mais de dois meses para ajudar no combate à pandemia de Covid-19, as barreiras sanitárias chegam a outras estações de ônibus em Belo Horizonte, nesta segunda-feira (27). 

Pela primeira vez, as fiscalizações acontecem nas estações Vilarinho e Venda Nova, região que concentra o maior número de óbitos pelo novo coronavírus, com 60 vidas perdidas até a última quarta-feira (22). Antes disso, as barreiras já estavam sendo realizadas nos terminais Diamante, Barreiro, São Gabriel e Pampulha.

Das dez blitze montadas na metrópole nesta segunda, seis estão em terminais com grande fluxo de passageiros. Nos locais, servidores da Secretaria de Saúde (SMSA) medem a temperatura dos passageiros e aplicam um questionário para evitar que pessoas possivelmente infectadas circulem pelo local. Desde o início das ações nas estações, 29.956 usuários do transporte público foram abordados e 105 encaminhados a unidades de saúde, após apresentarem algum sintoma suspeito de Covid-19.

Além das estações, as barreiras estão instaladas nas entradas e saídas da metrópole. Hoje, elas ocorrem em pontos das avenidas Nossa Senhora do Carmo, Cristiano Machado, Amazonas e Dom Pedro I. Desde meados de maio, quando foram iniciadas as blitze, 1.055.408 pessoas foram avaliadas. Ao todo, 2.598 foram orientadas a procurar unidades de saúde.

Leia mais:
‘Blitz’ contra Covid é ampliada nas estações de ônibus em BH; a mais recente é no terminal Diamante
Com diagnóstico de Covid, apresentador Rodrigo Rodrigues passa por cirurgia e segue na UTI
Cenário nem tão feio: economia mineira está em situação menos drástica do que a imaginada em abril