Apesar de ter informado, na terça-feira (20), que mais fármacos para o 'kit intubação' de pacientes com Covid-19 chegariam a Minas Gerais nesta semana, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) declarou, nesta sexta (23), que a vinda de mais medicamentos só ocorrerá na próxima semana. Conforme pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM), hoje, 147 cidades mineiras correm o risco de ficar sem os materiais.

Os insumos são essenciais para pacientes infectados com o novo coronavírus e que precisam ser intubados. Sem eles, o doente pode acordar e não suportar o procedimento invasivo de respiração artificial. Há registros de pessoas no país que, após o fim do efeito dos sedativos, precisam ser amarradas às macas para continuarem o tratamento.

A pasta não informou o motivo do adiamento, mas explicou que o Estado tem dialogado "constantemente" com o Ministério da Saúde para o atendimento das demandas de Minas. Além disso, disse que o fluxo de envio de medicamentos tem sido contínuo pelo órgão federal.

Na semana passada, 133 mil unidades foram entregues a hospitais em situação mais crítica, com estoque para três dias a menos. No entanto, a própria SES afirmou que, mesmo com a chegada desses novos insumos, a reserva de sedativos encontra-se em nível "não recomendável" para o enfrentamento da pandemia em todo o território.

Ministério da Saúde aguarda itens

Procurado para falar sobre o adiamento na entrega de medicamentos, o Ministério da Saúde informou que deve receber mais de 1,5 milhão de fármacos de Intubação Orotraqueal (IOT). O prazo para a chegada do quantitativo total não foi informado, mas a primeira remessa deve chegar até o fim da próxima semana.

O órgão federal declarou que um dos lotes aguardados é composto por 80 mil itens do 'kit', que foram doados pelo governo da Espanha. "Além dos mais de 2 milhões já entregues aos estados, outros 1,1 milhão de remédios foram doados pela empresa Vale do Rio Doce em parceria com um conjunto de empresas brasileiras. Desses, 900 mil chegam até o fim da próxima semana e outros 200 mil na primeira semana do mês de maio", disse, em nota.

Por fim, a pasta informou que lança, ainda nesta semana, um pregão internacional para a aquisição de novos insumos, com o objetivo de garantir um aporte maior de remédios.

Alternativa

Sem previsão da data exata de chegada de mais medicamentos, o governo mineiro explicou que tem contado com o apoio da rede solidária da saúde pública, iniciativa que permite o remanejamento de insumos entre as instituições.

"O objetivo é atender, de forma emergencial, os hospitais mais necessitados e com estoque mais baixos, a partir de instituições que detenham estoques mais estáveis, garantindo, de modo emergencial, a adequada assistência aos pacientes. A rede solidária acontece em todo o Estado", informou, em nota.

A SES também explicou que a disponibilização de mais fármacos pela União depende do preenchimento on-line de um formulário de estoque pelos hospitais. O documento fica aberto entre quinta e segunda-feira, semanalmente, e assim que as instituições preenchem as informações, a pasta pede reposição ao Ministério da Saúde.

Os dados mais recentes de Monitoramento de Intubação no Estado podem ser conferidos aqui.

Leia mais:
Pelo menos 147 cidades de Minas têm risco de falta de medicamento do kit intubação, aponta pesquisa
Ex-ministro da Indústria e Comércio João Camilo Penna morre, aos 95 anos, em BH
Influenciadora registrou boletim contra namorado menos de duas horas antes de ser encontrada morta