Ao menos 21 crianças perderam a vida pela infecção de Covid-19, em Minas, desde o início da pandemia em março de 2020. O levantamento foi feito pelos Cartórios de Registro Civil de Minas Gerais, que identificou que as faixas etárias de seis e onze anos estão empatadas em primeiro lugar no triste ranking de vidas perdidas para o coronavírus, com quatro casos cada faixa etária.

Em seguida, estão crianças que tinham sete, oito e dez anos, com 3 registros respectivamente. Crianças de 5 anos totalizaram 2 óbitos, e as de nove anos, 2 mortes. 

Para alivio da maioria dos pais, muitos municípios estão recebendo as doses infantis do imunizante da Pfizer, que chegaram nesta sexta-feira (14) a Minas Gerais. Em BH, a vacinação de crianças de 5 a 11 anos já começa neste sábado. Em Sabará, Betim, Nova Lima a imunização dos pequenos só deve ocorrer na próxima semana.

O presidente do Sindicato dos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado de Minas Gerais (Recivil), Genilson Gomes, alerta: “Dentre as causas das mortes infantis por Covid-19, na faixa etária de 5 a 11 anos, o estado de Minas Gerais ocupa a quarta posição no ranking nacional de índice de óbitos”. Segundo ele, o Estado registrou 6,5% do total nacional de óbitos infantis por Covid.

Tanto os pequenos de seis e de onze anos registraram 4 mortes, seguidas pelas que tinham sete, oito e dez anos, com 3 registros respectivamente. Crianças de 5 anos totalizaram 2 óbitos, e as de nove anos, 2 mortes. 

Os dados mostram ainda que foram registradas quatro mortes pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), quatro por causas indeterminadas e dez por morte súbita.

Na primeira semana de janeiro de 2022 não foram contabilizados óbitos por Covid-19 de crianças entre 5 e 11 anos, embora os Cartórios de Registro Civil tenham o prazo legal de até 10 dias para enviar os dados ao Portal da Transparência do Registro Civil.

Alívio e esperança para os pais

Em Belo Horizonte, as crianças de 5 a 11 anos começam a ser vacinadas contra a Covid-19 neste sábado (15). Inicialmente, serão imunizadas as com comorbidades, deficiência permanente, indígenas ou quilombolas e acamadas ou com mobilidade reduzida. O primeiro lote entregue à capital tem 10,8 mil doses da Pfizer. 

Segundo a Prefeitura de BH, a ampliação da campanha para as crianças sem doenças crônicas será feita de forma gradativa, de acordo com novas remessas entregues pelo Ministério da Saúde.

Leia mais:
Com quase 19 mil doentes em 24h, Minas bate recorde de casos da Covid-19
Vacinação de crianças contra Covid começa neste sábado em BH; veja o cronograma