Os profissionais das Forças de Segurança e Salvamento e das Forças Armadas começaram a ser vacinados contra a Covid-19 em Minas nesta quarta-feira (9). O grupo tornou-se prioritário conforme orientação do Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. 

A partir da 11ª remessa, recebida na última quinta (1º), parte das mais de 1 milhão de doses de CoronaVac serão utilizadas para imunizar com a primeira dose 4.205 militares, o que corresponde a 6% do público-prioritário. Está prevista a proteção de policiais militares, policiais civis, bombeiros, policiais penais, agentes socioeducativos, guardas municipais, policiais federais e rodoviários federais, além de representantes do Exército.

Serão contemplados os trabalhadores envolvidos no atendimento e/ou transporte de pacientes, em resgates e atendimento pré-hospitalar, em ações de vacinação e de vigilância das medidas de distanciamento social, com contato direto e constante com o público independente da categoria.

“As Forças de Segurança têm auxiliado tanto nas ações que buscam conter a disseminação da doença quanto na fiscalização de distanciamento social e de medidas restritivas e preventivas. Além disso, parte desses profissionais têm desenvolvido ações de apoio a operacionalização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19”, explicou à Agência Minas, Janaina Fonseca, diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Pleito de Minas

No fim de março, o governador Romeu Zema (Novo) pleiteou alteração no calendário do PNI para inclusão das Forças de Segurança. Por videoconferência, o governador participou da primeira reunião com o Comitê Gestor nacional de enfrentamento da pandemia e cobrou o cumprimento dos critérios do plano, de forma a garantir a vacinação de todos os idosos, e pediu prioridade no calendário às forças de segurança.

*Com informações de Agência Minas

Leia mais:

Idosos com 65 anos começam a ser vacinados contra a Covid-19 em BH nesta quarta
Após vereadores de BH aprovarem igreja como serviço essencial, STF julga se templos podem abrir