O Ministério da Saúde anunciou, nesta terça-feira (16), uma mudança na administração da Janssen, vacina contra Covid-19 do laboratório Johnson&Johnson. A partir de agora, o imunizante, que era aplicado em dose única, terá um reforço.

“No início, a recomendação era de que esta vacina fosse de dose única. Hoje, sabemos que é necessária esta proteção adicional. Então, quem já tomou a Janssen, agora vai tomar a segunda dose do mesmo imunizante. E, lá adiante, cinco meses após (a segunda dose), um reforço com imunizante diferente”, disse o ministro Marcelo Queiroga. 

A segunda dose da Janssen deverá ser ministrada a partir de dois meses da primeira aplicação. O cronograma para que aqueles já imunizados com essa vacina sejam convocados, entretanto, ainda não foi informado.

Terceira dose

Outra mudança anunciada pela pasta diz respeito à redução do intervalo de tempo para aplicação da terceira dose, saindo dos atuais seis meses para cinco. A decisão, que ainda será implementada pelas secretarias de saúde dos estados e municípios, contempla todas as pessoas acima de 18 anos, independentemente do grupo etário ou profissão. 

Até então, apenas idosos, profissionais da saúde ou aqueles com alto grau de imunossupressão estavam aptos para receber o reforço. No caso dos dois primeiros grupos, o intervalo de aplicação era de seis meses. 

Só neste mês, 12,4 milhões de brasileiros podem receber a dose de reforço no país. Outros 21 milhões precisam voltar aos postos para tomar a segunda dose.

*Com informações de Agência Brasil

Leia mais:

Terceira dose será aplicada em todos os brasileiros acima de 18 anos; intervalo cai para 5 meses
Minas atinge marca de 70% da população vacinada com duas doses contra a Covid-19