A mulher que divulgou um vídeo fake dizendo que caixões com pedras e pedaços de madeira estavam sendo enterrados em Belo Horizonte, no lugar de vítimas do novo coronavírus, foi indiciada pela Polícia Civil. A conclusão do inquérito foi divulgada pela corporação nesta segunda-feira (24). 

Conforme a corporação, ela vai responder pelo crime de denunciação caluniosa e contravenção penal por provocar pânico e tumulto. Se condenada, pode pegar até 9 anos de prisão.

Relembre o caso

Em 5 de maio, a Polícia Civil instaurou inquérito para apurar a publicação de um vídeo, nas redes sociais, no qual uma mulher relatava que caixões estariam sendo enterrados com pedras no lugar de vítimas da Covid-19, em Belo Horizonte. Nas imagens ela ainda sugeriu o envolvimento da Prefeitura de Belo Horizonte na suposta farsa.

No dia seguinte, uma equipe de policiais da 4ª Delegacia de Polícia Civil Centro, da capital, compareceu ao município de Campanha, no Sul do Estado, onde identificou e localizou a autora do vídeo. A suspeita foi conduzida até a Delegacia de Polícia da cidade, onde prestou depoimento. Ela ainda teve o celular apreendido para exames periciais.

Após ter sido levada à delegacia, a suspeita fez um vídeo para se retratar do ocorrido. Contudo, ao fim das investigações, foi indiciada. A reportagem tentou contato com a defesa da acusada, mas não obteve resposta. 

Leia também:
Advogado de mulher de vídeo falso sobre caixões em BH divulga nota com pedido de desculpas