Uma carreata em defesa da volta às aulas presenciais será realizada em Belo Horizonte na manhã deste sábado (21). Professores de escolas privadas e pais de alunos irão se reunir a partir das 9h na Praça do Papa, localizada na avenida Agulhas Negras, no bairro Mangabeiras, região Centro-Sul da cidade. 

Desde março, devido à pandemia do novo coronavírus, o aprendizado presencial nas instituições está suspenso em Minas. O protesto ocorre dias após a prefeitura divulgar um protocolo com normas para a retomada das aulas nas escolas de ensino fundamental, médio e nas universidades. O executivo municipal ainda não definiu uma data para a reabertura.

De acordo com uma das organizadoras do ato, a diretora da escola Algodão Doce, Adriana Antunes de Morais, a partir do ponto de encontro, eles seguirão em direção à avenida Afonso Pena até a Prefeitura da capital, onde, em um ato simbólico, os professores irão ler um manifesto. “Nós aderimos ao protesto por entender que a causa é de todos. Os professores não aguentam mais trabalhar on-line e acompanham de perto o sofrimento das crianças e dos pais, além de muitos estarem perdendo seus empregos. Queremos uma resposta: por que a escola não pode funcionar? Por que não podemos trabalhar?”, indagou.

Os organizadores pedem a todos que tenham interesse em participar, que usem máscara de proteção e mantenham o distanciamento social.

Contrapartida

Em contrapartida, o professor e diretor do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG), Matheus Freitas, pede cautela. O número crescente de casos do novo coronavírus é considerado como motivo para que não se arrisque uma possível volta das aulas antes da vacina.  “Eles têm esse direito, mas nós estamos preocupados, principalmente com a pandemia crescendo dessa maneira. Não tem a menor condição de liberar dessa forma. Claro que é prejudicial, eu sou professor e queria dar aula presencial. Mas não tem como, sem a vacina não há a menor condição. Eu não me arriscaria”, argumentou.  

Em relação aos números, o boletim epidemiológico, divulgado nesta sexta-feira (20), mostra que a capital mineira registrou 52.352 casos confirmados pela doença desde o início da pandemia, 271 a mais do que no dia anterior. Também foram contabilizadas 1.610 mortes pela Covid até o momento, 13 a mais do que o boletim de quinta-feira (19). Há ainda 95 óbitos sendo investigados.

O número médio de transmissão por infectado (Rt) está em 1,09. Isso quer dizer que, em média, 100 infectados transmitem o novo coronavírus para 109 pessoas. Acima de 1,00, o índice aponta estado de alerta para a população, pois pode indicar aumento da epidemia na cidade. 

Protocolo para retomada das aulas

De acordo com o documento, no caso da educação infantil e ensinos fundamental e médio, deverá ser respeitado o máximo de 12 alunos por sala, com distanciamento de dois metros. As turmas deverão ser divididas em subgrupos e os dias, horários e turnos deverão ser escalonados. O protocolo também recomenda a realização de aulas em ambientes ao ar livre.

Alunos, professores e funcionários deverão utilizar máscaras durante todo o tempo. Para aqueles que chegarem sem a proteção, a escola deverá disponibilizar o item. Para a higienização, deverão ser instaladas pias para cada grupo de 15 alunos, com distanciamento de um metro entre cada uma ou possuir divisórias de acrílico. Todo o material utilizado na escola também deve permanecer na instituição.

O protocolo recomenda desinfecção das salas de aula e os demais ambientes após o fim de cada turno. Sempre que necessário, detergente e sanitizantes devem ser aplicados nos espaços. Não será permitido bebedouro de jato inclinado e os equipamentos deverão ser instalados apenas para coleta em garrafas individuais.

O protocolo completo pode ser consultado no link.

Leia mais:
Escola municipal tem até dia 30 para criar comissão que vai monitorar adaptação de prevenção à Covid
Mesmo sem data definida, prefeitura divulga protocolo para a volta das aulas presenciais em BH
É segunda onda? Entenda como especialistas classificam o novo aumento de casos de Covid