A Secretaria de Saúde de Belo Horizonte (SMSA) estima serem necessárias em torno de 200 mil doses de vacina contra o novo coronavírus para imunizar todos os profissionais de saúde da capital. Os trabalhadores das redes pública e particular deverão ser os primeiros a serem protegidos na metrópole.

A informação foi divulgada horas depois de o prefeito Alexandre Kalil se reunir com o governador de São Paulo, João Doria, para fechar um acordo de aquisição da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Em nota, a PBH informou que "se mantém na expectativa de o Plano Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, atender toda a população o mais rápido possível com a vacinação contra a Covid-19". A compra por conta própria de imunizantes, segundo Alexandre Kalil após o encontro com o chefe do Executivo paulista, é considerada uma alternativa caso o governo federal não consiga abranger todo o país.

“Estou aqui como prefeito de Belo Horizonte para um plano B. Espero que seja um plano B, espero que todo o Brasil tenha o direito de imunizar os profissionais de saúde”, declarou o prefeito da capital mineira.

Ainda segundo a nota da administração municipal, após aprovada, a Coronavac deve ser aplicada em Belo Horizonte um dia depois de iniciada a vacinação em São Paulo.

Leia Mais:
Com 4.222 novos infectados, Minas ultrapassa marca de 470 mil casos de Covid-19
Fiocruz: prefeituras não devem relaxar medidas de prevenção à Covid-19
Escalada da Covid em Minas faz média de novos casos superar o pico da pandemia, entre junho e julho