Será debatido, nesta quarta-feira (21), a partir das 14h, durante o Fórum de Integração Docentes, o planejamento para retomada das aulas na UFMG. A ideia é que a Administração Central da Universidade identifique as atividades curriculares que mais sofreram prejuízos ao serem ofertadas remotamente para que seja priorizado o retorno nas modalidades presencial ou híbrida.

Desta forma, se as cidades em que a universidade mantém campi estiverem no cenário relativo à etapa 1, o teto de ocupação dos espaços físicos será igual a 20%; se estiverem no cenário relativo à etapa 2, o teto de ocupação será de 40%. Os critérios estabelecidos para cada etapa estão descritos na edição mais recente do plano, publicada no mês passado.

“Não há uma data definida para o retorno presencial amplo, mas temos a expectativa de que seja possível, no segundo período letivo de 2021, ampliar a oferta de atividades”, afirmou a pró-reitora de Graduação, Benigna de Oliveira.

Segundo a reitora Sandra Regina Goulart Almeida, a expectativa é que o planejamento dessa transição envolva toda a comunidade acadêmica, de forma a se mensurar o impacto que a volta de algumas atividades presenciais deve ocasionar na vida da comunidade e da cidade. 

“A UFMG tem retomado as aulas presenciais de forma gradual, seguindo as orientações das autoridades sanitárias locais e o plano de retorno e o protocolo de biossegurança aprovados pela instituição”, disse.

Em Belo Horizonte, a prefeitura já autorizou as atividades práticas e assistenciais dos cursos da área da saúde. “Atualmente, a universidade registra 11 cursos de graduação em atividades presenciais, além dos trabalhos de pesquisa e extensão previamente aprovados”, lembrou a reitora.

Orientações inicial

Um documento com as orientações iniciais para o planejamento da oferta remota, presencial e híbrida de atividades acadêmicas curriculares de ensino de graduação foi disponibilizado para os alunos (veja aqui).

O texto determina que o planejamento deverá ser feito considerando-se o compromisso da universidade com a preservação da vida e com a formação de qualidade, ética e cidadã dos seus estudantes de graduação, a diversidade do corpo de servidores e estudantes, as condições epidemiológicas e assistenciais de Belo Horizonte e Montes Claros (cidades em que a UFMG mantém campi) e o plano para o retorno presencial de atividades não adaptáveis ao modo remoto.

Leia mais:

Mais 102 mil doses da AstraZeneca desembarcam em Minas; unidades fazem parte do 31º lote
Covid: 11 cidades da Grande BH estão à frente do calendário de vacinação estadual; veja a lista