O radialista Bruno Azevedo, suspeito de montar um esquema de pirâmide financeira, pode ter movimentado até R$ 10 milhões. De acordo com a Polícia Civil (PC), o jornalista teria convencido pessoas a investir em supostos espaços publicitários na Itatiaia, onde trabalhava. Oito vítimas prestaram queixa. A rádio não tem envolvimento com o caso, assegura a PC.

Pela manhã, a corporação cumpriu mandado de busca e apreensão na casa dele. Conforme as investigações, pelo menos R$ 5,6 milhões foram movimentados por Bruno em uma conta corrente em apenas um ano. 

Busca e apreensão Bruno Azevedo

Agentes da Polícia Civil cumprem mandado e busca e apreensão na casa do jornalista 

O caso se tornou público em novembro, quando Bruno desapareceu e deixou uma carta à família, que procurou a polícia. Enquanto o desaparecimento era apurado, denúncias de estelionato chegavam até a delegacia de Combate à Corrupção e Fraudes.

A PC apurou que Bruno saiu voluntariamente de Belo Horizonte para Patos de Minas, no Centro-Oeste, e depois para o interior de Goiás. Há algumas semanas, retornou para a capital mineira. Não se sabe qual é a versão dele sobre o caso. Segundo a corporação, ele optou pelo direito de permanecer calado.

As vítimas apresentaram aos investigadores documentos e registros de conversas pelo WhatsApp. Conforme o material, segundo a PC, Bruno dizia a elas que poderiam investir em reserva de horários publicitários na rádio, recebendo lucros a partir do momento em que aparecessem novos investimentos. O jornalista também teria recebido grandes valores por meio de empréstimo.

Veja vídeo em que o delegado responsável pela investigação, Marlon Pacheco, explica o esquema:

Segundo Pacheco, não há qualquer indício de que a Itatiaia tivesse envolvimento ou conhecimento sobre o suposto golpe promovido por Azevedo. Inclusive, colegas de trabalho teriam sido vítimas, pois emprestaram grandes quantias de dinheiro ao jornalista. A rádio prefere não se manifestar sobre o assunto, por entender que é um caso de cunho pessoal. 

A polícia informou que ainda não há confirmação de que Bruno teria sofrido ameaças, tanto que ele decidiu voltar a BH após o desaparecimento voluntário.

A Rádio Itatiaia informou que não vai se pronunciar sobre o caso e que, inclusive, foi vítima do jornalista. Bruno Azevedo não foi não foi encontrado pela reportagem do Hoje em Dia.