O decreto de emergência para estudo de obras e medidas preventivas às enchentes na Região de Venda Nova foi publicado na edição desta quarta-feira (21) no Diário Oficial do Município (DOM). A publicação, assinada pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS), ainda inclui a Regional Pampulha no alerta contra os temporais. 

De acordo com o desígnio, após a chuva da última quinta-feira (15) foi declarada “situação de emergência”. Ainda conforme a PBH, a preocupação, a princípio, se dá apenas nas regionais Pampulha e Venda Nova, por terem registrados danos ao patrimônio público e privado. 

O mapeamento das duas regionais ocorreu por um filtro nas ocorrências que foram registradas pela Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros. O decreto tem validade de 180 dias e, durante esse período, as ações nas regionais serão comandadas pela Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil. 

Comitê de Emergência

Ainda na edição desta quarta-feira (21), a prefeitura publicou a criação do comitê que vai estudar a realização de obras na avenida Vilarinho, para diminuir o impacto da chuva à população da região. 

“Fica instituído Comitê Estratégico de Emergência com o objetivo de promover estudos, apresentar propostas e projetos, bem como coordenar as medidas de emergência decorrentes das inundações, alagamentos e enxurradas na regional Venda Nova, com foco especial na Avenida Vilarinho”, diz o texto. 

No decreto, Kalil ainda diz que os integrantes do comitê terão 30 dias, a contar desta quarta-feira, para “apresentar propostas com soluções preventivas, reparadoras e definitivas para as inundações, alagamentos e enxurradas na regional”. No caso da Pampulha, não há uma definição de quais ações serão desempenhadas. Os problemas da região serão discutidos ao longo dos 30 dias. 

Participam do comitê integrantes da Secretaria Municipal de Fazenda, Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, Procuradoria-Geral do Município, Superintendência de Desenvolvimento da Capital – Sudecap. O grupo será coordenado por Fuad Jorge Noman, secretário de fazenda. 

Histórico 

Três pessoas morreram no último dia 15 de novembro na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, em decorrência das fortes chuvas. Uma adolescente foi sugada por um bueiro e mãe e filha foram encontradas mortas abraçadas dentro de um veículo, que ficou submerso. 

Nessa segunda-feira (19), o Coronel Alexandre Lucas cogitou a possibilidade de instalar uma sirene no local. Segundo o prefeito, porém, "o que resolve enchente não é sirene, é obra".

Leia mais:

Inundações recorrentes na Vilarinho exigem solução complexa
PBH estuda colocar sirenes e placas luminosas para alertar sobre risco de inundação na Vilarinho
Após mortes por enchentes, Kalil anuncia projeto de obras na avenida Vilarinho