Está previsto para às 15h desta sexta-feira (6) o pouso de um avião norte-americano no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na Região Metropolitana de BH, com 58 brasileiros deportados pelos Estados Unidos. Esse é o sétimo voo desse tipo desde outubro de 2019 e o segundo só nesta semana, chegando a mais de 650 pessoas já trazidas de volta ao Brasil.

De acordo com a BH Airport, concessionária que administra o aeroporto, o grupo é composto, em sua maioria, por mineiros, mas os nomes e naturalidades são desconhecidos. Como tem ocorrido nas últimas viagens, os passageiros serão recebidos na tarde desta sexta com um café organizado pela BH Airport, com pão de queijo e bolo.

O voo é feito em avião fretado pela U.S. Immigration and Customs Enforcement, agência norte-americana que controla imigração e alfândega e, segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, é de inteira responsabilidade do governo estadunidense.

Desde que se iniciaram as deportações, a Polícia Federal tem realizado procedimentos de controle migratório, averiguado possíveis ilegalidades e investigado casos suspeitos.

Deportação

A deportação mais intensa de brasileiros em situação ilegal nos Estados Unidos teve início em outubro do ano passado. Desde esse período, já foram feitas seis viagens com passageiros do Brasil, com número estimado em mais de 650 pessoas só em Confins. O último deles ocorreu nessa segunda-feira (2), com 120 pessoas. Nessas ocasiões, os passageiros têm reclamado que passam fome e são humilhados.

De 2006 a 2019, o Brasil recusou o fretamento de aviões de deportação em massa. Nesse período, o Itamaraty entendia que era necessário analisar caso por caso, permitindo que brasileiros, mesmo em situação irregular, pudessem reverter a deportação ao comprovarem terem laços familiares, filhos ou emprego nos Estados Unidos.

A situação mudou no ano passado. O atual governo brasileiro tem facilitado a deportação massiva de brasileiros, em atendimento aos pedidos do governo Trump.