Adolescentes de 13 a 16 anos serão vacinados contra a Covid-19 nesta semana em Belo Horizonte, conforme calendário divulgado pela prefeitura. Além desse grupo, os moradores de 42 poderão tomar o reforço, enquanto pessoas com alto grau de imunossupressão e idosos receberão a terceira dose (veja o cronograma abaixo).

O horário de funcionamento dos locais de aplicação é das 8h às 17h, para pontos fixos e extras, e das 8h às 16h30 o drive-thru. Aos sábados, o atendimento se encerra mais cedo, às 14h. Os endereços estão aqui.

Há também quatro pontos de vacinação com horário noturno, que funcionam de segunda a sexta-feira. Os públicos elegíveis para se vacinar à noite são exclusivamente os convocados para o dia em questão. Confira os horários e endereços:  

  • UFMG Campus Saúde (Escola de Enfermagem): avenida Professor Alfredo Balena, 190 - Santa Efigênia – Funcionamento das 12h às 20h
  • Faculdade Pitágoras: rua dos Timbiras, 1.375 - Funcionários – Funcionamento das 8h às 20h
  • UNA-BH: rua Aimorés, 1.451 - Lourdes – Funcionamento das 8h às 20h
  • Faminas-BH: avenida Cristiano Machado, 12.001 - Vila Clóris – Funcionamento das 8h às 20h (Excepcionalmente na próxima semana, em 4 a 9 de outubro, o ponto de vacinação da Faminas não estará em funcionamento)

Calendário de vacinação da semana:

  • Segunda-feira (4): primeira dose para adolescentes de 16 anos
  • Terça-feira (5): primeira dose para adolescentes de 15 anos
  • Quarta-feira (6): segunda dose de Pfizer para pessoas de 42 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 13 de outubro; reforço para idosos de 76 anos
  • Quinta-feira (7): dose adicional para pessoas de 70 anos ou mais com alto grau de imunossupressão; reforço para idosos de 75 anos
  • Sexta-feira (8): primeira dose para adolescentes de 14 anos
  • Sábado (9): dose adicional para pessoas de 69 a 50 anos com alto grau de imunossupressão; primeira dose para adolescentes de 13 anos

Adolescentes e 2ª dose

No momento da vacinação, os jovens precisam ter a idade completa até 31 de outubro, apresentar documento de identidade e comprovante de residência, além de não ter tomado qualquer vacina nas últimas duas semanas nem ter tido Covid com início de sintomas nos últimos 30 dias.

Para receber o reforço da proteção contra o coronavírus, a orientação é a mesma. No entanto, é preciso ter em mãos o cartão de vacina que comprove a primeira aplicação.

Idosos

Os idosos que tomaram a CoronaVac precisam ter recebido o reforço há seis meses ou faltando 15 dias para completar este prazo para serem contemplados com a terceira dose. Aqueles que foram vacinados com AstraZeneca ainda não devem comparecer aos locais de imunização. 

A aplicação nos idosos acamados a serem imunizados nos próximos dias também será iniciada. Os usuários podem aguardar o contato das equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) para o agendamento do horário ou procurar as unidades para a marcação. 

Imunossuprimidos

Para que as pessoas com alto grau de imunossupressão possam receber a injeção adicional, é necessário ter tomado a segunda dose há pelo menos 28 dias. É necessário apresentar exames, receitas, relatório médico e/ou prescrição médica emitidos em até 12 meses. Estão elegíveis os usuários nas condições abaixo: 

  • Imunodeficiência primária grave;
  • Quimioterapia para câncer;
  • Transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras;
  • Pessoas vivendo com HIV/Aids;
  • Uso de corticoides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias;
  • Uso de drogas modificadoras da resposta imune, como Metotrexato, Leflunomida, Micofenolato de mofetila, Azatiprina, Ciclofosfamida, Ciclosporina, Tacrolimus, 6-mercaptopurina, Biológicos em geral (infliximabe, etanercept, humira, adalimumabe, tocilizumabe, Canakinumabe, golimumabe, certolizumabe, abatacepte, Secukinumabe, ustekinumabe) Inibidores da JAK (Tofacitinibe, baracitinibe e Upadacitinibe).
  • Auto inflamatórias, doenças intestinais inflamatórias;
  • Pacientes em hemodiálise;
  • Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas.

Leia mais:

Setembro é o mês com menor número de óbitos por Covid no Brasil neste ano
UFMG e PBH vão realizar estudo para medir impacto da pandemia da Covid-19 sobre culturas da capital