Sindicato dos médicos ameaça acionar Prefeitura de BH na Justiça por melhores condições de trabalho

Bernardo Estillac
bernardo.leal@hojeemdia.com.br
17/01/2022 às 19:43.
Atualizado em 21/01/2022 às 12:15
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG) espera uma resposta da Prefeitura de Belo Horizonte, sobre a necessidade de contratação de mais profissionais de saúde, diante do aumento de casos de coronavírus e de influenza na capital, nos últimos dias. E o diretor do sindicato, Arthur Mendes, afirma que a categoria não descarta acionar a Justiça, caso a prefeitura não responda às reivindicações da categoria até a próxima quarta-feira (19). 

Na última sexta-feira (14), a entidade enviou uma notificação extrajudicial à Secretaria Municipal de Saúde de BH, cobrando reajuste salarial e contratação dos profissionais. Em nota, o Sinmed afirma que as medidas tomadas pela prefeitura para atender mais pacientes, como a ampliação do horário de funcionamento de Centros de Saúde, não foram eficientes e não resolvem a sobrecarga se mais médicos não forem contratados.

O sindicato cobra que os médicos aprovados em concurso público realizado em 2021 sejam convocados em caráter de urgência e mais profissionais sejam contratados de forma emergencial. E exige ainda um reajuste salarial que cubra a perda inflacionária dos últimos anos.

O médico e diretor do Sinmed afirma ainda que o sindicato quer conversar com a prefeitura, mas, diante da dificuldade de diálogo com a administração da capital, foi necessário enviar a notificação extrajudicial.

“A gente notifica porque há dois anos estamos buscando conversar e a prefeitura não nos dá nada mais concreto. Terminado esse prazo de 72 horas, o que vai nos restar é seguir junto às entidades responsáveis como o Conselho Regional de Medicina  e a Justiça comum, responsabilizar a prefeitura com ação judicial e buscar até a interdição ética desses locais de trabalho se for necessário”, afirma Mendes.

Para Arthur Mendes, a ampliação do horário de funcionamento nos postos de saúde e aumento do número de leitos para pacientes com Covid não resolveu o problema dos atendimentos na cidade. E diz também que BH ainda sofre com o problema de profissionais de saúde afastados por doenças.

“Mesmo com a ampliação de  horário, não adianta, a gente precisa de mais profissionais. Estamos ainda com problemas de médicos se infectando com gripe e Covid e precisando se ausentar. Se você olhar, toda unidade de saúde de BH já registrou surtos nas equipes médicas”, critica. Em dezembro, foram 487 funcionários da rede de saúde afastados por enfermidades respiratórias.

Em entrevista coletiva no dia 21 de dezembro de 2021, o secretário de saúde da capital, Jackson Machado, admitiu a carência de médicos na cidade. Na ocasião, salários baixos e falta de segurança nas unidades de saúde foram apontadas pelo Sinmed como razão para a pouca oferta de profissionais na rede municipal.

Procurada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Saúde disse que não foi notificada pelo sindicato e já que contratou 1.125 profissionais de saúde, sendo 251 médicos, desde 24 de dezembro de 2021.

O órgão afirma que a convocação dos médicos aprovados em concurso público acontecerá ainda em janeiro e que mantém ativo um banco de currículos para contratação imediata de médicos. 

Em complemento à resposta, enviado na manhã desta terça-feira, a secretaria disse lamentar o desconhecimento do Sinmed sobre as regras de concursos públicos que impedem a antecipação da homologação da prova referida pelo sindicato. A pasta também criticou a categoria pelo que classificou como 'uso político' do momento crítico da pandemia na cidade.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por