A Câmara Municipal de Belo Horizonte derrubou, nessa quarta-feira (13), o veto do prefeito Alexandre Kalil (PSD) ao projeto de lei que prevê aumentar a pena para pichadores e promover o grafite em espaços públicos e privados na capital.

A derrubada ao veto total foi durante votação apertada, com placar de 21 a 18. A autoria do projeto é de Henrique Braga (PSDB). Segundo o parlamentar, a proposta tem como objetivo “enfrentar com firmeza o processo de deterioração dos espaços públicos de nossa cidade”.

O projeto de lei prevê que sejam aplicadas multas de até R$ 5 mil a pichadores, R$ 10 mil a quem sujar monumentos ou bens tombados e R$ 20 mil a infratores reincidentes. Além disso, eles seriam obrigados a arcar com os custos da reparação do local.

Além das multas, o projeto prevê a promoção de ações de valorização do grafite e de combate à pichação.

A proposta foi vetada pelo prefeito em 3 de setembro. Kalil justificou a decisão afirmando se tratar de um projeto inconstitucional e de apresentar valores irreais e impraticáveis para as multas propostas.

Procurada pela reportagem, a prefeitura disse não se pronunciar sobre projetos de lei ainda em tramitação.

Leia mais:
Morre, aos 82 anos, Juarez Araújo, presidente da Velha Guarda do Samba de BH
Governo de Minas amplia orçamento de edital para infraestrutura urbana em 280 municípios