Atendimento normalizado

Determinação judicial interrompe paralisação de médicos do Hospital Infantil João Paulo II, em BH

Da Redação
portal@hojeemdia.com.br
28/03/2022 às 11:59.
Atualizado em 28/03/2022 às 12:28

A paralisação dos médicos que atuam no Hospital Infantil João Paulo II, em Belo Horizonte, realizada nas primeiras horas desta segunda-feira (28), foi interrompida após decisão judicial. Pouco menos de três horas após o início do ato, foi determinado que a categoria voltasse aos atendimentos normalmente.

Segundo informou o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), a decisão, solicitada à Justiça pela Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), prevê 100% do atendimento emergencial e de urgência no hospital, para continuidade do tratamento dos pacientes já internados ou em tratamento ambulatorial, assim como o prestado nas Unidades de Terapia Intensiva, nos Centros de Tratamento Intensivo (CTI) e maternidades. 

Caso a medida seja descumprida, haverá multa de R$ 5 mil por hora. “Apesar de defendermos a legitimidade do movimento reivindicatório, o Sinmed-MG orienta o retorno das atividades regulares por parte de todos os médicos do hospital. O departamento jurídico destaca que entrará com recurso em face da decisão, mas que por ora, a determinação deve ser observada”, disse em comunicado aos médicos. 

Na noite desta segunda, a partir das 19h30, a categoria irá avaliar o movimento e “buscar estratégias para melhorar a situação dos hospitais e profissionais do Estado”.

Ao Hoje em Dia, a pediatra e diretora clínica do hospital, Fernanda Ramos, reafirmou as reivindicações da categoria, o que considera essencial para a continuidade dos trabalhos. 

“Neste momento, o atendimento está normal no hospital. A gente tem previsão de muitos plantões desfalcados pela frente. A gente precisa que mais médicos sejam contratados, também estamos pedindo reformas estruturais, além de valorização profissional. Para que o hospital, que é referência em pediatria em todo o Estado, continue prestando atendimento de qualidade, a gente precisa de contratações, mais respeito e valorização", disse.

Saiba quais são as outras determinações da Justiça:

  • 50% de todos os demais serviços prestados através do Sistema Estadual de Saúde;
  • O integral preenchimento de todos os relatórios, documentos e livros de controle dos procedimentos clínicos a cargo dos servidores da FHEMIG filiados ao RÉU;
  • Não impeçam a prestação de serviços pelos servidores que, sob qualquer vínculo com a FHEMIG, trabalham no HIJPII;
  • Não obstruam vias públicas, tampouco invadam prédios públicos ou qualquer espaço específico nos prédios estaduais.

Entenda

A categoria decidiu, em assembleia realizada na semana passada, que paralisaria as atividades por 24 horas, entre às 7h de segunda e às 7h de terça (29). Durante o período, apenas atendimentos de urgência e emergência seriam realizados. Com a decisão judicial, no entanto, o ato durou pouco menos de 3 horas, sendo interrompido antes das 10h. 

Conforme informou o Sinmed-MG, os médicos pedem a solução dos principais problemas já apontados, “como as péssimas condições de trabalho e a perda de profissionais por baixas remunerações justamente em um período crítico, de aumento de demanda por atendimentos devido ao pico de doenças respiratórias”.

De acordo com a entidade, diante deste cenário, o atendimento aos pacientes fica prejudicado. Problemas relacionados às escalas também estão entre as reclamações. Neste caso, os médicos acreditam que a demanda seria atendida caso os aprovados em concurso fossem convocados e, paralelo a isso, houvesse renovação de contratos emergenciais e administrativos. Outro pedido está relacionado à estrutura física da unidade, que, segundo a entidade, precisa de manutenção.

Veja aqui todas as reivindicações.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por