Sem delivery

Entregadores por aplicativo fazem paralisação em BH por reajustes no pagamento das empresas

Lucas Sanches*
@sanches_07
01/04/2022 às 12:44.
Atualizado em 01/04/2022 às 12:50
 (Lucas Prates/Hoje em Dia)

(Lucas Prates/Hoje em Dia)

Entregadores por aplicativo em Belo Horizonte aderiram ao movimento nacional de paralisação da categoria e organizaram uma manifestação na manhã desta sexta-feira (1º), em protesto às condições oferecidas pelas empresas que atuam no setor.

Reunidos na praça da Savassi, região Centro-Sull de BH, os profissionais destacam o baixo valor pago pelo serviço, ajuda em caso de acidentes e reajuste de taxas aplicadas pelas empresas.

Vanessa Muniz, de 29 anos, conta que trabalha como motofretista desde 2018 na capital. Segundo ela, o movimento da categoria é independente, e vai reunir inúmeros profissionais que pretendem pressionar as empresas por melhores condições no dia a dia de trabalho.

"Nossa taxa atualmente é muito baixa, e mesmo com a promessa de aumento das empresas, ainda não vimos nada. Sem falar no aumento do preço pago pelo quilômetro rodado e o reajuste que precisa ser anual, protocolado e com data marcada", explica.

A motofretista ainda lamenta que não há autonomia para os colegas de trabalho. Por um lado, segundo ela, existe grande divulgação da liberdade dos profissionais, mas na prática, eles se sentem presos a condições consideradas injustas e que podem prejudicar o pagamento.

"Atualmente, as empresas implementaram um sistema de escala para cumprir agendamentos, e isso é como se nós fossemos fichados, mas não somos. Se o motoqueiro não cumpre isso, ele vai receber menos. Falam tanto sobre a nossa autonomia, então queremos ter autonomia para ligar e desligar o aplicativo quando quisermos", ela pontua.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com as principais empresas do setor em Minas: Ifood, 99 e Rappi.

Em nota, a assessoria de comunicação do Ifood afirmou que a plataforma está sempre em diálogo com os entregadores, e reajustou a taxa mínima paga a eles para R$ 6, o que corresponde a cerca de R$ 0,70 de aumento. O preço pago por km rodado também foi aumentado, passando de R$ 1 para R$ 2,50.

A Rappi destacou que criou um fundo, de R$ 25 milhões, para garantir aumentos nos ganhos dos entregadores entre junho de 2021 e julho de 2022.  A 99food, por sua vez, afirmou que "mantém a liberdade de escolha dos entregadores para os horários de trabalho e possibilidade de ingresso em outras plataformas".

*Com Lucas Prates

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por