Peritos que atuam nas agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Belo Horizonte começaram a retomar os atendimentos presenciais nesta segunda-feira (21), exatamente uma semana após o governo federal determinar a volta das atividades.

Levantamento divulgado pelo instituto no início desta tarde revela que 70% dos profissionais compareceram ao trabalho hoje. Na semana passada, nenhum perito havia se apresentado.

Em BH, apenas duas agências reabriram: a Oeste, que fica na rua Espírito Santo, 54; e a Calafate, na rua Padre Eustáquio, 1831. "Retornaram 14 peritos dos 20 lotados nas duas agências que estão atendendo presencialmente", informou o instituto.

Por causa da pandemia, as agências estão funcionando com horário reduzido, apenas das 7h às 13h. Em Minas, além de BH, foram reabertas agências em Contagem, Barbacena, Poços de Caldas, Varginha, Governador Valadares, Diamantina, Uberlândia, Uberaba e Divinópolis.

Contudo, o INSS ainda não tem o balanço de quantos peritos estão trabalhando no Estado. Ao longo das próximas semanas, a expectativa do instituto é reabrir mais agências de forma gradual.

Por segurança, serão atendidos somente os segurados que agendarem pelo aplicativo Meu INSS, pelo site ou pelo telefone 135. Além da perícia, nesta primeira fase da reabertura as agências estão funcionando para fazer avaliação social, cumprimento de exigência, justificação administrativa e reabilitação profissional. 

Queda de braço

Mesmo com a ordem para retomada das atividades em 111 agências em todo o Brasil, a Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP), que representa os trabalhadores, se recusa a retomar o serviço alegando que as agências não estão adequadas ao retorno. 

Com o impasse, os segurados ficam sem conseguir aprovação para pedir benefícios. Em comunicado, a associação informou que realiza inspeções nos imóveis de todo o país para liberar os atendimentos.

Leia mais:
Agências do INSS são inspecionadas para garantir segurança de peritos e usuários
Falta de perícia pode levar a enxurrada de ações contra INSS