Além de congelar o valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do diesel, medida válida a partir desta segunda-feira (25), Minas estuda, para as próximas semanas, reduzir o valor da alíquota do tributo sobre o gás de cozinha.

De acordo com o governador Romeu Zema (Novo), a diminuição do preço desse insumo é mais importante, neste momento, do que da gasolina e do etanol, por exemplo.

“Todo mundo precisa de gás para cozinhar, e nós queremos que o valor do gás venha a ter redução ou, pelo menos, que esses últimos aumentos parem de acontecer, prejudicando a população, principalmente aqueles de baixa renda”, afirmou à Rádio Itatiaia.

Diesel

O congelamento do valor do ICMS do diesel, segundo o gestor, serve para diminuir o impacto no valor dos bens de consumo primários. Portanto, será cobrado o valor referente a 15% sobre o que vigorou nos últimos dias. Na prática, se o preço desse combustível aumentar, não será computado. 

“Hoje, qualquer mineiro que vai ao supermercado sabe que o dinheiro dele vai render menos. Como o diesel é um produto que compõe o preço de quase tudo no Brasil, já que tudo é transportado, nós conseguimos, na última semana, avaliar e congelar o valor do ICMS que é cobrado por litro de óleo diesel”, disse.

Leia mais:

Minas vai congelar ICMS do diesel a partir desta segunda-feira, diz Zema
Medo de apagão e luz cara criam corrida por geradores de energia