No 1° dia do fechamento do comércio não essencial em Belo Horizonte, nesta segunda-feira (11), a movimentação é intensa no hipercentro. O fluxo de ônibus, carros e pedestres chama a atenção nas ruas da região. Alguns relatos dão conta de que o cenário é semelhante ao da semana passada, quando a proibição das atividades econômicas ainda não estava em vigor. 

Em março do ano passado, quando a medida foi adotada pela primeira vez, as vias de BH ficaram praticamente vazias. Na estação São Paulo do Move, uma das mais utilizadas por quem depende do transporte público, usuários e funcionários garantem nada mudou na manhã de hoje. 

De acordo com uma agente de vendas da Transfácil, lotada no ponto de embarque e desembarque, entre a rua São Paulo e a avenida Santos Dumont, e que inicia jornada 5h30, o número de passageiros se manteve igual ao de sete dias atrás. 

Mesma avaliação foi feita por uma auxiliar de limpeza da BHTrans que trabalha no terminal. “Entre 7h30 e 9h é o horário mais cheio. E hoje foi igual semana passada (quantidade de usuários)", disse a mulher.

Horário de ônibus

A passageira e estudante Jade Albanaz reclamou da redução na circulação de ônibus durante a pandemia. Na semana passada, a BHTrans confirmou que o quadro de horários e o número de viagens programadas podem sofrer "ajustes pontuais", a partir desta semana, devido ao fechamento de parte do comércio.

“Não tinha lugar para sentar. Não estava lotado, mas estava relativamente cheio. Eles diminuíram as linhas e eu acho que não precisava ter diminuído, porque lota mais os ônibus. Era melhor ter continuado com a mesma quantidade para eles ficarem mais vazios”, opinou.

O que diz a prefeitura:

A Prefeitura lamenta profundamente os impactos que vêm sendo causados pela pandemia nas diferentes atividades econômicas e destaca que sempre manteve diálogo com esses setores para construir conjuntamente alternativas e soluções para redução de danos.

De acordo com dados levantados pela Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, 156.958 empresas de serviços e de atividades essenciais (84% das empresas ativas instaladas na capital) continuam autorizadas a funcionar.

O Município seguirá monitorando os indicadores epidemiológicos e analisando os dados juntamente com a equipe de infectologistas que integram o Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 para avaliar sobre a possibilidade de mudanças no processo de reabertura. 

O fechamento das atividades não essenciais não tem qualquer caráter punitivo ao comércio. O objetivo é diminuir o volume de pessoas em circulação para conter a expansão do contágio. Tão logo os indicadores permitam, o processo de flexibilização será retomado.    

A Prefeitura se reunirá com representantes das entidades ainda nesta semana. A agenda (dia e hora) está sendo definida.

Jade Albanaz
Jade Albanaz reclamou do número de coletivos em circulação na capital

Fechamento 

O comércio não essencial foi fechado após o aumento do número de infectados pela Covid-19 na capital mineira. Veja o que pode funcionar a partir desta segunda:

- Padaria e lanchonete: de 5h às 22h
- Comércio varejista de laticínios e frios: de 7h às 21h
- Açougue e peixaria: de 7h às 21h
- Hortifrutigranjeiros: de 7h às 21h
- Minimercados, mercearias e armazéns: de 7h às 21h
- Supermercados e hipermercados: de 7h às 22h
- Artigos farmacêuticos: sem restrição de horário
- Artigos farmacêuticos, com manipulação de fórmula: sem restrição de horário
- Comércio varejista de artigos de óptica: sem restrição de horário
- Artigos médicos e ortopédicos: sem restrição de horário
- Tintas, solventes e materiais para pintura: de 7h às 21h
- Material elétrico e hidráulico, vidros e ferragem: de 7h às 21h
- Madeireira: de 7h às 21h
- Material de construção em geral: de 7h às 21h
- Combustíveis para veículos automotores: sem restrição de horário
- Peças e acessórios para veículos automotores: de 8h às 17h
- Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP): sem restrição de horário
- Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista listado nesta relação: 5h às 17h
- Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de valores imobiliários: sem restrição de horário
- Casas lotéricas: sem restrição de horário
- Agência de correio e telégrafo: sem restrição de horário
- Comércio de medicamentos para animais: sem restrição de horário
- Atividades de serviços e serviços de uso coletivo, exceto os especificados no art. 2º do Decreto nº 17.328, de 8 de abril de 2020: sem restrição de horário
- Atividades industriais: sem restrição de horário
- Restaurantes, desde que em sistema de delivery ou retirada na porta: sem restrição de horário
- Banca de jornais e revistas: sem restrição de horário
- Atividades acima, em funcionamento no interior de shopping centers, galerias de loja e centros de comércio: deverão ser observados os horários de cada atividade

Não podem funcionar:

- Casas de shows e espetáculos de qualquer natureza
- Boates, danceterias, salões de dança
- Casas de festas e eventos
- Feiras, exposições, congressos e seminários
- Shoppings centers, centros de comércio e galerias de lojas
- Cinemas e teatros
- Clubes de serviço e de lazer
- Academia, centro de ginástica e estabelecimentos de condicionamento físico
- Clínicas de estética e salões de beleza
- Parques de diversão e parques temáticos
- Bares, restaurantes e lanchonetes
- Eventos em propriedades e logradouros públicos
- Feiras em propriedade
- Circos e parques de diversões

Leia mais:

Comerciantes da capital ameaçam descumprir decreto da PBH contra a Covid
Rede de saúde de BH está perto de colapso por conta da Covid-19, alerta infectologista