Entidades que representam diversos setores econômicos de Belo Horizonte enviaram, nesta quinta-feira (7), um ofício ao prefeito da capital, Alexandre Kalil (PSD), solicitando uma reunião para discutir novas regras para o funcionamento do comércio. A decisão foi tomada um dia após o anúncio do representante do Executivo, que decidiu que fechará a cidade a partir da próxima segunda (11)mantendo apenas os serviços essenciais em funcionamento.

O ofício foi enviado depois de uma reunião entre 24 representantes de entidades dos setores de comércio e serviços (confira lista completa abaixo), entre elas a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL/BH), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio-MG) e Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

O pedido feito à PBH tem como objetivo apresentar sugestões e propostas viáveis para que o comércio da cidade não sofra mais prejuízos. É o que diz o presidente da CDL, Marcelo de Souza e Silva. "Todo mundo está disposto a dialogar e colaborar para que possamos preservar vidas e também a saúde da economia da cidade. Neste momento, é muito importante o diálogo com o poder público", afirmou.

Procurada, a PBH informou que, até o momento, nenhum ofício foi protocolado na prefeitura. Segundo a CDL/BH, o ofício já foi enviado e as entidades seguem aguardando uma resposta. 

Decreto será publicado nesta sexta 

No fim da noite de quarta (7), o prefeito Alexandre Kalil anunciou que Belo Horizonte estará fechada a partir da próxima segunda, mantendo apenas os serviços essenciais em funcionamento. A decisão foi tomada após mais uma reunião do Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19 na cidade. Um decreto será publicado nesta sexta-feira (8) com mais detalhes sobre as regras que serão tomadas.

Segundo o representante do Executivo, a medida foi definida diante do aumento do número de infectados pela doença na capital mineira, com alto índice de ocupação de leitos de enfermarias e UTIs.

Além dos serviços essenciais, como supermercados e farmácias, Kalil anunciou que praças públicas e o zoológico, com agendamento, poderão permanecer abertos. “Eu, mais uma vez, peço desculpa, mas não tive outra alternativa. Estamos a dias da vacina e do fim dessa tragédia. Repito, me desculpem, mas governar não é agradar. Fui orientado, tivemos uma longa reunião e determinamos que a cidade estará com os serviços essenciais abertos e com todo o resto fechado”, avaliou.

Confira as entidades presentes na reunião:

•             Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG)

•             Associação de Comerciantes do Hipercentro 

•             Associação Comercial e Empresaria de Minas (ACMinas) 

•             Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão)

•             Associação Comercial do Barro Preto (Ascobap)

•             Associação Mineira de Empresas de Moda - Instituto AMEM

•             Galeria do Ouvidor

•             Câmara do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI)

•             Sindicato dos Estabelecimentos de Natação, Ginástica, Recreação e Cultura Física

•             Federação dos Clubes do Estado de Minas Gerais (Fecemg) 

•             Associação Mineira dos Supermercadistas (Amis)

•             Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg)

•             Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio-MG) 

•             Sindicato do Comércio Varejista de Automóveis e Acessórios de Belo Horizonte (Sincopeças)

•             Convention Bureau 

•             Sindicato dos Transportadores de Escolares da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Sintesc)

•             Sindicato dos Trabalhadores de Salão de Beleza e Similares de Belo Horizonte (Sindbeleza)

•             Associação dos Revendedores de Veículos no Estado de Minas Gerais (ASSOVEMG)

•             Sindicato dos Proprietários de Centros de Formação de Condutores de MG (SiproCFC)

•             Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce)

•             Sindicato das Empresas Locadoras de Automóveis do Estado de Minas Gerais (SINDLOC-MG)

•             Sindicato do Comércio Atacadista de Tecidos, Vestuário e Armarinhos de Belo Horizonte (Sincateva)

•             Associação das Concessionárias de Veículos de BH

Leia mais:
Avanço da Covid-19 em Minas faz municípios da Grande BH recuarem na flexibilização
Escalada da Covid leva PBH a permitir só serviço essencial a partir de segunda
Kalil anuncia fechamento do comércio em Belo Horizonte; decisão começa a valer na próxima segunda