A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) publicou em seu site um portal exclusivo para esclarecimento sobre a intoxicação por dietilenoglicol. A substância, encontrada em cervejas da Backer, matou uma pessoa e pode ter causado a morte de outras três, que seguem sob investigação.

No site, o cidadão pode encontrar notas e comunicados sobre o caso, perguntas e respostas e orientações para a própria população e para a classe médica. O site pode ser acessado aqui: saude.mg.gov.br/intoxicacaodeg.

Os empenhos para o combate à doença estão fortes. Nessa sexta-feira (17), de forma preventiva, a força-tarefa criada pelo governo para investigar o caso antecipou para outubro de 2019 o risco de contaminação por dietilenoglicol. A alteração deve aumentar o número de casos da doença, segundo autoridades.

Também nessa sexta, um morador de Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, entrou para a lista de notificações por intoxicação. Ao todo, já são 17 homens e duas mulheres com casos sob suspeita.

Entre os óbitos, a única morte confirmada pela intoxicação por dietilenoglicol, que chegou a ser chamada de "doença misteriosa" e síndrome nefroneural, ocorreu em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Paschoal Dermatini Filho, de 55 anos, morava em Ubá, na mesma região, e faleceu em 7 de janeiro.

Já outras duas mortes, ainda sob investigação, ocorreram em Belo Horizonte na quarta (15) e quinta-feiras (16). Houve ainda uma morte em Pompéu, na região Central, em 28 de dezembro.

De acordo com a SES, das 19 notificações, 12 são de Belo Horizonte e o restante é de Capelinha, no Vale do Jequitinhonha; Nova Lima, na Grande BH; Pompéu e São João del-Rei, na região Central; São Lourenço, no Sul de Minas; e Ubá e Viçosa, na Zona da Mata.

Leia mais:
Estrago só piora: intoxicação pode ter começado em outubro; marcas da Backer são interditadas
Vigilância Sanitária fecha distribuidora de Contagem que fornecia monoetilenoglicol para a Backer
Capelinha registra caso suspeito de intoxicação por dietilenoglicol; já são 19 em Minas