Uma mulher de 60 anos, moradora de Pompeu, no Centro-Oeste de Minas, que morreu no último dia 28, pode ser a segunda vítima da síndrome nefroneural por contaminação após consumo da Belorizontina. A informação foi divulgada nesta terça-feira (14), em nota oficial, pela Secretaria Municipal de Saúde da cidade. Também nesta terça, pela primeira vez, a empresa Backer orientou consumidores a não beber a cerveja.

O órgão municipal informou que a vítima esteve no Buritis, na região Oeste de BH, de 15 a 21 de dezembro, para visitar familiares que moram no bairro. Na ocasião, ela teria consumido a Belorizontina. Antes do óbito, a paciente apresentou sintomas semelhantes aos da doença nefroneural.

Ainda conforme a nota, o caso foi notificado à Secretaria de Estado de Saúde (SES), a quem cabe investigar se há relação com a síndrome. A pasta foi procurada, mas ainda não se pronunciou. Esta seria a segunda morte por causa da enfermidade. A primeira ocorreu em Juiz de Fora, na Zona da Mata.

O número de notificações da síndrome nefroneural, supostamente provocada por ingestão de cerveja contaminada, já chega a 17 em Minas. A suspeita é de intoxicação por dietilenoglicol (DEG), substância encontrada em amostras da Belorizontina. O rótulo é um dos 21 da cervejaria Backer, intimada nesta segunda-feira (13) pelo Ministério da Agricultura a fazer recall de todas as marcas produzidas desde outubro do ano passado. 

Confira a nota da Prefeitura de Pompéu:

nota oficial

 

Leia mais:
Backer pede que mercado de cervejas artesanais não seja afetado: 'não julguem'

Mapa e Polícia Civil inspecionam Backer novamente; garrafas enviadas à Brasília não estavam violadas
Consumidores podem entregar cervejas da Backer em unidades da Vigilância Sanitária; veja endereços
Quase duzentas garrafas de Belorizontina são recolhidas nos postos montados em Belo Horizonte
Abracerva pede que governo proíba uso de dietilenoglicol e monoetilenoglicol na produção de cervejas
Todas as cervejas da Backer produzidas desde outubro de 2019 deverão ser recolhidas
Especialista explica as diferenças entre dietilenoglicol e monoetilenoglicol