O Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Belo Horizonte vai se reunir nesta quinta-feira (28) na prefeitura, no Centro da capital, para decidir sobre a reabertura do comércio na cidade. Por decreto, desde 11 de janeiro apenas as atividades essenciais podem funcionar por causa do avanço do coronavírus na metrópole.

Nessa quarta-feira (27), em entrevista coletiva após a eleição da nova diretoria da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Granbel), o prefeito Alexandre Kalil (PSD) sinalizou que a flexibilização está sendo analisada pelo comitê.

"Eu acredito que, se Deus ajudar, a gente vai começar a pensar nisso semana que vem. Nós já estamos com uma reunião marcada para amanhã (hoje) e uma para sexta-feira", disse o mandatário.

O presidente do Sindilojas, Nadim Donato, afirmou que representantes do comércio tentarão se reunir com a administração municipal hoje ou na sexta em busca de uma solução definitiva. “Nossa solicitação continua a mesma: abertura, na segunda-feira, 1º de fevereiro, em todos os setores do comércio”, disse em vídeo enviado aos lojistas de BH.

Procurada pela reportagem do Hoje em Dia, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) não confirmou o horário do encontro.

Covid em BH

Os três indicadores de monitoramento da pandemia seguem em queda pelo segundo dia consecutivo na capital mineira. Segundo dados do boletim epidemiológico da PBH dessa quarta, o número médio de transmissão por infectado, o RT, caiu pelo sétimo balanço consecutivo. Com isso, o índice está em 0,97, na fase controlada da escala de risco. 

Já a taxa de ocupação de leitos de UTI está em 80%, ainda na zona de alerta. O indicador caiu seis pontos percentuais em comparação ao boletim anterior. Vagas de enfermaria, por sua vez, têm 62,5% de ocupação.

Ao todo, o município já contabilizou 86.469 infectados pelo novo coronavírus e 2.215 mortes pela doença.

(*) Com informações de Rosiane Cunha

Leia mais:

Sem definir data, Kalil sinaliza que reabertura do comércio pode estar próxima
Covid mata 9 mineiros por hora; apesar do recorde, Estado avança na flexibilização
Não vai ter 'corre-corre' por vacina contra a Covid-19 em BH, diz Kalil