Patrocínio, no Alto Paranaíba, é mais uma cidade de Minas a decretar toque de recolher por conta do aumento do número de casos de Covid-19. Nessa sexta-feira (19), a prefeitura prorrogou as medidas de enfrentamento à pandemia até 1º março e determinou novas restrições a partir deste sábado (20).

Das 20h às 5h do dia seguinte, as pessoas não poderão circular nas ruas da cidade, apenas em casos de urgências e emergências. Também está proibido o uso de espaços públicos, como pistas de caminhada e praças, e as realizações de missas e cultos, tanto em locais fechados como abertos.

Somente postos de combustíveis, supermercados, açougues e padarias estão autorizados a funcionar, respeitando as medidas sanitárias e limite máximo de pessoas, dependendo do tamanho do estabelecimento.

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES) desta sexta-feira (19), a cidade já computou 3.853 casos do novo coronavírus e 73 mortes. 

Outras cidades

Por conta da falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), que obrigou a transferência de pacientes para outras cidades, a Prefeitura de Coromandel, também no Alto Paranaíba, anunciou, na última segunda-feira (15), a limitação de circulação de pessoas das 20h às 5h. A medida entrou em vigor na terça (17) e é válida até o próximo dia 23.

Em Patos de Minas, na mesma região, a prefeitura estabeleceu toque de recolher entre 22h e 5h da manhã por conta do avanço da doença no município. Além disso, haverá restrição por 15 dias no funcionamento presencial de atividades não essenciais e ficou proibido o acesso a parques municipais e praças.

Lagoa Formosa seguiu o exemplo das vizinhas e decretou restrições na circulação, pelos próximos 15 dias, entre 21h e 5h, exceto quando necessário o acesso aos serviços essenciais e sua prestação, comprovando-se a necessidade ou urgência. A medida começou a valer ontem.

Leia mais:

Minas registra quase 10 mil novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas
Uberlândia, segunda maior cidade do Estado, entra na 'fase rígida' pela gravidade da Covid-19